Geólogos descobrem no Canadá pedaço perdido de continente antigo

Placa continental se estende do atual norte da Escócia ao leste do Canadá

Ilha de Baffin: pistas do continente que ia do Canadá ao norte da Escócia. Crédito: Ansgar Walk/Wikimedia

Examinando amostras de exploração de diamantes da Ilha de Baffin, cientistas canadenses identificaram um novo remanescente do cráton do Atlântico Norte – uma parte antiga da crosta continental da Terra.

Uma descoberta casual feita por geólogos debruçados sobre amostras de exploração de diamantes levou a uma grande recompensa científica.

As amostras da rocha kimberlito são um dos pilares da exploração de diamantes. Formados há milhões de anos, a profundidades de 150 a 400 quilômetros, os kimberlitos são trazidos à superfície por forças geológicas e químicas. Às vezes, as rochas ígneas carregam diamantes embutidos dentro delas.

“Para os pesquisadores, os kimberlitos são foguetes subterrâneos que capturam passageiros a caminho da superfície”, explica Maya Kopylova, geóloga da Universidade da Colúmbia Britânica (UBC). “Os passageiros são pedaços sólidos de rochas nas paredes que carregam uma riqueza de detalhes em condições muito abaixo da superfície do planeta ao longo do tempo.”

LEIA TAMBÉM: Cientistas revelam segredos do continente perdido de Zelândia

Mas quando Kopylova e colegas começaram a analisar amostras de uma propriedade da província mineral de Chidliak Kimberlite, no sul da Ilha de Baffin, ficou claro que as rochas das paredes eram muito especiais. Eles tinham uma assinatura mineral que combinava com outras porções do cráton do Atlântico Norte – uma parte antiga da crosta continental da Terra que se estende da Escócia à Península do Labrador, no leste do Canadá.

Divisão

“A composição mineral de outras porções do cráton do Atlântico Norte é tão única que não houve dúvida”, diz Kopylova, principal autora de um artigo na revista “Journal of Petrology” que descreve os resultados. “Foi fácil amarrar as peças. Crátons antigos adjacentes no norte do Canadá – no norte de Quebec, no norte de Ontário e em Nunavut (território no norte do Canadá) – têm mineralogias completamente diferentes.”

Os crátons são fragmentos estáveis ​​de bilhões de anos de idade da crosta continental – núcleos continentais que ancoram e juntam outros blocos continentais ao seu redor. Alguns desses núcleos ainda estão presentes no centro das placas continentais existentes, como a da América do Norte, mas outros continentes antigos se dividiram em fragmentos menores e foram reorganizados por uma longa história de movimentos das placas.

Kimberlito de Chidliak: assinatura mineral que combina com outras partes do cráton do Atlântico Norte. Crédito: Mike Beauregard/Chidliak Kimberlite/Wikimedia

“Encontrar essas peças ‘perdidas’ é como encontrar uma peça que faltava de um quebra-cabeça”, diz Kopylova. “O quebra-cabeça científico da Terra antiga não pode ser completo sem todas as peças.”

A placa continental do cráton do Atlântico Norte se fragmentou 150 milhões de anos atrás, e atualmente se estende do norte da Escócia, através da parte sul da Groenlândia, e continua a sudoeste no Labrador.

O fragmento recentemente identificado abrange a província de Chidliak (que contém kimberlito com diamantes), no sul da Ilha de Baffin. Acrescenta cerca de 10% à extensão conhecida do cráton do Atlântico Norte.

Rochas mais profundas

É a primeira vez que os geólogos conseguem reunir partes do quebra-cabeça a tal profundidade – a chamada correlação do manto. Reconstruções anteriores do tamanho e da localização das placas da Terra foram baseadas em amostras de rocha relativamente rasas na crosta, formadas em profundidades de um a 10 quilômetros.

“Com essas amostras, podemos reconstruir as formas dos continentes antigos com base em rochas mais profundas do manto”, diz Kopylova. “Agora podemos entender e mapear não apenas a camada mais fina da Terra que compõe 1% do volume do planeta, mas nosso conhecimento é literal e simbolicamente mais profundo. Podemos reunir fragmentos de 200 quilômetros de profundidade e contrastá-los com base nos detalhes da mineralogia profunda.”

As amostras da província de Chidliak Kimberlite, no sul da ilha de Baffin, foram inicialmente fornecidas pela Peregrine Diamonds, uma pequena empresa de exploração de diamantes. A Peregrine foi adquirida pela empresa de exploração de diamantes internacional e varejista De Beers em 2018. As amostras de núcleos de perfuração em si são muito valiosas e caras para recuperar.

“Nossas empresas parceiras demonstram muita boa vontade fornecendo amostras de pesquisa para a UBC, o que permite a pesquisa fundamental e o treinamento de muitos estudantes de graduação”, disse Kopylova. “Por sua vez, a pesquisa da UBC fornece à empresa informações sobre o manto diamantífero profundo, essencial para mapear a parte do cráton com as alterações mais altas para dar suporte a uma mina de diamante bem-sucedida.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança