GM quer que até 2050 a energia que consome seja 100% renovável

General Motors investe em várias frentes, como energia solar, eficiência energética e eletrificação da frota, para chegar a esse objetivo

Bolt EV: a aposta da GM no segmento de carros elétricos começa a ser vendida no Brasil ainda este ano. Foto: Divulgação

A montadora General Motors reafirmou em seu relatório de sustentabilidade global divulgado recentemente (www.gmsustainability.com) o compromisso de utilizar somente fontes de energia renováveis em seu processo produtivo até 2050. Segundo o trabalho, a empresa está no caminho certo ao atingir 20% em 2018.

“Um importante passo anterior à adoção de fontes renováveis de energia são as medidas com vistas à eficiência energética e consequente redução do consumo. Esse é um trabalho contínuo dos nossos times e, se olharmos os últimos 15 anos, nossa redução de consumo de energia por veículo produzido atingiu 57%”, comenta Glaucia Roveri, gerente de Energia e Utilidades da GM América do Sul.

O compromisso da empresa de reduzir o consumo de energia desde 2010 eliminou 1,5 milhão de toneladas de emissões de carbono, o equivalente ao uso elétrico de 260 mil residências por um ano.

LEIA TAMBÉM: Carros elétricos e híbridos devem ficar mais acessíveis aos brasileiros

Para chegar a percentuais expressivos de redução, muitas ações são realizadas. Um exemplo é a própria iluminação das áreas no Brasil. Ao modernizar o parque de iluminação das unidades de São Caetano do Sul, Mogi das Cruzes e Gravataí com o uso do LED, a empresa gerou uma economia de 60% no consumo de energia destinada à iluminação.

 

Energia solar

Entre as fontes renováveis utilizadas pela GM no Brasil está a solar. A fábrica de São Caetano do Sul (SP) conta com um sistema solar de aquecimento. São 560 metros quadrados instalados no telhado do complexo para fornecer água quente aos chuveiros do vestiário da fábrica, o equivalente a abastecer o consumo diário de 900 casas.

O sistema conta com 280 placas solares e sistemas de bomba de calor, com capacidade para abastecer 300 chuveiros, eliminando a necessidade de uso de vapor e evitando o consumo de gás natural.

Já a fábrica de Joinville (SC), inaugurada em 2013, foi a primeira da indústria automotiva a contar com sistema de geração de energia solar fotovoltaica. A energia gerada por esse sistema abastece a área produtiva e escritórios, evitando emissões de 10,5 toneladas de CO2 – o equivalente a energia consumida por 220 casas no Brasil anualmente.

A energia solar também é utilizada para aquecer 15 mil litros de água por dia, reduzindo os custos de gás natural e evitando 17,6 toneladas de emissões de CO2 por ano.

 

Eficiência energética no produto

Parte muito importante da estratégia da GM para atingir zero emissão no futuro é a eletrificação da frota. Ela já é uma realidade com o Bolt EV, carro 100% elétrico mais premiado do mundo e que começa a ser vendido no Brasil ainda em 2019.

O Bolt EV é capaz de rodar, em média, 383 quilômetros com uma única carga das baterias – número superior a qualquer outro veículo de sua categoria. O modelo ainda conta com sistema regenerativo que aproveita a energia dissipada em frenagens e desacelerações para ampliar sua autonomia e garantir tranquilidade ao usuário em viagens mais longas.

A recarga das baterias é feita em tomadas e há opções que combinam com diferentes necessidades de deslocamento do usuário. Além de mais limpa, a energia elétrica gera economia para o motorista do Bolt EV. Hoje, o custo médio estimado para recarregar 100% da bateria do elétrico da Chevrolet é R$ 39, o que torna o quilômetro rodado cerca de quatro vezes inferior ao de um modelo do mesmo porte movido a gasolina ou álcool.

Além disso, a Chevrolet investe de forma contínua em eficiência energética. A redução do consumo de combustível dos carros da marca chegou a 22% nos últimos cinco anos, ante a média ponderada de até 15,9% registrada pelo mercado.

Para o Brasil, isso significa que se evitou a emissão de 1 milhão de toneladas de gás carbônico no ambiente e uma economia de R$ 7 bilhões em combustível por ano, de acordo com cálculos da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).