Goiás registra primeira morte por ômicron no Brasil

Morte ocorreu em Aparecida de Goiânia. Vítima era homem de 68 anos, que sofria de doença pulmonar crônica e hipertensão arterial. Prefeitura local já identificou 55 casos da nova variante

A prefeitura da cidade de Aparecida de Goiânia, próxima à capital de Goiás, informou nesta quinta-feira (06/01) de uma pessoa pela variante ômicron. Esse é o primeiro registro de morte por essa variante coronavírus no Brasil.

A vítima era um homem de 68 anos com doença pulmonar crônica e hipertensão arterial, que foi internado numa unidade hospitalar da cidade em 22 de dezembro. Em 26 de dezembro ele transferido para uma unidade de terapia intensiva (UTI), mas morreu no dia seguinte após um choque séptico.

Ele tinha sido vacinado com três doses de imunizante contra covid-19. A prefeitura solicitou no dia 28 a amostra do RT-PCR do paciente para sequenciamento genômico do município. O resultado saiu nesta quinta-feira.

Até o momento, a prefeitura de Aparecida de Goiânia identificou 55 casos da ômicron na cidade. Segundo a administração municipal, o nível de prevalência da variante já é responsável por 93,5% dos casos.

Os primeiros casos da variante foram registrados em 12 de dezembro. A prefeitura informou que a ômicron chegou a uma situação de transmissão comunitária há dez dias, no município.

“Perdemos um paciente vacinado, mas que tinha problemas crônicos de saúde, que são importantes fatores de risco da covid-19. Infelizmente, ele não resistiu. Uma vida perdida em meio a milhares salvas pela imunização”, afirmou o secretário de saúde do município, Alessandro Magalhães.

Até 5 de janeiro, o Ministério da Saúde registrava 265 casos da variante ômicron e 580 possíveis diagnósticos positivos em investigação e nenhum óbito.

Já o estado Goiás registrou 947.898 casos de coronavírus e 24.695 mortes pela doença desde o início da pandemia, conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde.

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou nesta quinta-feira que a nova variante ômicron parece provocar quadro menos graves de covid-19 do que a delta, mas não deve ser classificada como “leve”.

jps (Agência Brasil, ots)

Veja também
+ Jovem grava momento em que mulher morre sem saber que se tratava de sua mãe
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago