Gosto musical se assemelha à forma como aprendemos, dizem cientistas

No geral, as músicas que apreciamos representam complexidade média para o nosso cérebro, contendo um pouco de imprevisibilidade

Em geral, apreciamos músicas com um pouco de imprevisibilidade. Crédito: Max Pixel

Pesquisadores canadenses e ingleses descobriram que os humanos apreciam músicas que soam familiares e um pouco imprevisíveis. O estudo, publicado na revista “JNeurosci”, sugere que nossas preferências musicais podem estar fundamentadas na maneira como a raça humana aprende.

Os cientistas têm se aplicado para entender e explicar por que atividades aparentemente com pouco valor evolutivo, como ouvir música, trazem tanto prazer. Estudos anteriores já haviam associado o ato de ouvir música a uma ativação nos centros de recompensa do cérebro. No entanto, os resultados sobre como a complexidade musical se relaciona com o prazer foram conflitantes.

Benjamin Gold, do Instituto Neurológico de Montreal (Canadá), e sua equipe usaram um modelo de computador para determinar a complexidade de fragmentos de música.  A seguir, os pesquisadores pediram aos ouvintes que avaliassem o quanto gostavam das músicas em uma escala de um a quatro.

LEIA TAMBÉM: A mente musical

Os ouvintes deram preferência a músicas de “complexidade média”, uma medida que envolvia recursos como previsibilidade e familiaridade. Músicas não familiares para os ouvintes eram mais apreciadas se previsíveis. Músicas familiares podem ser menos previsíveis – elas podem conter mais surpresas – e, mesmo assim, os ouvintes ainda gostariam delas.

Os resultados do estudo correspondem a informações sobre como o cérebro aprende melhor. Segundo as conclusões, desafios e novas situações de média complexidade fornecem o máximo de enriquecimento com o mínimo de frustração.