Governo do Japão anuncia que vai despejar água radioativa no oceano Pacífico

A empresa afirmou que, até 2022, ficará sem espaço para armazenar água contaminada por elementos radioativos

O Ministério do Meio Ambiente do Japão anunciou que vai ter que despejar água radioativa proveniente do acidente nuclear de Fukushima no oceano Pacífico.

Mais de um milhão de toneladas de água radioativa estão acumuladas na usina desde que um tsunami a atingiu, em março de 2011, causando o derretimento de três reatores nucleares.

Segundo reportagem do jornal “The Guardian”, a Tokyo Electric Power (Tepco), que administra Fukushima, vem coletando toneladas de água que ficaram contaminadas quando usadas para resfriar outros três reatores nucleares da usina, para impedir que eles derretessem também. A empresa afirmou que, até 2022, ficará sem espaço para armazenar a água contaminada.

A empresa tentou remover a maior parte do material radioativo da água, mas não há tecnologia para remover o trítio, um isótopo radioativo do hidrogênio. As usinas nucleares que ficam em costas costumam despejar água contaminada com trítio no oceano. O elemento ocorre na natureza em quantidades ínfimas.

O governo japonês afirma que aguarda um parecer de especialistas sobre o procedimento de despejar a água no oceano.

O anúncio desagradou ao vizinho Coréia do Sul, que convocou a embaixada japonesa a explicar como o derramamento de água seria feito, e pediu prudência ao governo japonês.

 

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago