Grande tsunami devastou costa sudeste da Península Arábica há mil anos

Ondas de 15 metros de altura varreram o litoral do atual sultanato de Omã

Litoral de Omã: pouco tempo para os moradores escaparem das ondas. Crédito: Dan Soley/Wikimedia

Ondas de 15 metros de altura que empurraram o peso de um tanque de guerra para o interior: é mais ou menos como se pode imaginar o tsunami que atingiu a costa do atual sultanato de Omã há cerca de mil anos, segundo um estudo recente das universidades alemãs de Bonn, Jena, Freiburg e RWTH Aachen. Os resultados também mostram com que urgência a região precisa de um sistema de alerta precoce que funcione bem. Mesmo assim, quem mora no litoral teria no máximo 30 minutos para ir para um local seguro em uma catástrofe semelhante. O estudo será publicado na revista “Marine Geology”, mas já está disponível online.

Omã fica no sudeste da Península Arábica. O litoral do sultanato é atingido repetidamente por tsunamis – o mais recente foi em 2013. Mesmo nas mais severas dessas ocorrências nos últimos tempos (o evento Makran, em 1945), os danos permaneceram comparativamente baixos. Nessa época, a maré atingiu uma altura de três metros.

Os cientistas descobriram evidências de um tsunami que provavelmente foi muito mais poderoso, com ondas de até 15 metros. Para esse fim, os pesquisadores de Bonn, Jena e Aachen concentraram suas investigações em uma faixa costeira de 200 quilômetros no nordeste de Omã. “Lá identificamos 41 grandes rochas, aparentemente transportadas para o interior pela força da água”, explica Gösta Hoffmann, do Instituto de Geociências da Universidade de Bonn.

LEIA TAMBÉM: Como fungo do Brasil causou mortes no Noroeste do Pacífico? Enigma decifrado

Relógio de quartzo na rocha

Algumas das rochas provavelmente foram formadas quando o tsunami destruiu partes dos penhascos; em relação à maior delas, com peso de cerca de 100 toneladas, os cientistas conseguiram determinar o ponto exato em que ela se rompeu. Outras pedras mostram traços de organismos marinhos, como mexilhões ou ostras, que não conseguem sobreviver em terra. “Certos métodos podem ser usados ​​para determinar a hora da morte”, diz Hoffmann. “Isso nos permitiu determinar quando as pedras foram lavadas em terra.”

Os cristais de quartzo na rocha também representam uma espécie de relógio: eles fornecem informações sobre a última vez em que foram expostos ao sol. Isso permitiu que os cientistas deduzissem quanto tempo as rochas estavam no local onde foram encontradas. Os cientistas de Freiburg são especialistas nesse método. “Muitas dessas medidas nos deram um valor de cerca de mil anos”, enfatiza Hoffmann. “Isso corresponde bem aos resultados da datação de fragmentos de argila que encontramos em sedimentos de tsunamis. Eles se originam de embarcações usadas por moradores da costa.”

As placas tectônicas da Arábia e da Eurásia colidem no Mar da Arábia. Eles se movem uma em direção à outra a uma velocidade de cerca de quatro centímetros por ano. Durante esse processo, uma placa desliza por baixo da outra. Às vezes, elas ficam presas nessa zona de subducção. Isso pode causar tensões que se intensificam cada vez mais ao longo de anos e décadas. Se de repente eles se soltam com um choque violento, a coluna de água acima das placas começa a se mover. Isso pode levar a ondas extremamente destrutivas, características dos tsunamis.

Escala muito grande

“Até agora não está claro até que ponto as placas da Arábia e da Eurásia ficam presas”, diz Hoffmann. No evento de 1945, por exemplo, os efeitos foram confinados localmente. As descobertas atuais, no entanto, sugerem que as tensões também podem aumentar e ser descarregadas em uma escala muito grande – não há outra explicação viável para as enormes forças em ação na época. “Portanto, é extremamente importante que um sistema de alerta precoce de tsunami seja implantado para esta região”, enfatiza o geólogo.

No entanto, mesmo um tsunami menor teria consequências devastadoras hoje: grande parte da infraestrutura vital de Omã foi construída perto da costa, como as refinarias de petróleo e as usinas de dessalinização da água do mar. Um sistema de alerta que funcione bem pode, no entanto, pelo menos dar aos residentes algum tempo para chegar à segurança.

Não é muito tempo, na verdade, pois os tsunamis se movem à velocidade de uma aeronave de passageiros. Na melhor das hipóteses, o intervalo entre o alarme e o impacto da onda seria, portanto, pouco mais de 30 minutos.