Groenlândia está perdendo gelo bem mais rapidamente que o previsto

Perda de gelo na maior ilha do mundo aumentou sete vezes nas últimas três décadas

Geleira groenlandesa: perdas de gelo substanciais. Crédito: Max Pixel

A Groenlândia está perdendo gelo sete vezes mais rapidamente do que nos anos 1990 e acompanha o cenário de aquecimento climático de ponta do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), que prevê mais de 40 milhões de pessoas expostas a inundações costeiras até 2100.

Uma equipe de 96 cientistas polares de 50 organizações internacionais produziu a imagem mais completa da perda de gelo da Groenlândia até hoje. A equipe do  Ice Sheet Mass Balance Inter-comparison Exercise (IMBIE) combinou 26 pesquisas separadas para calcular as mudanças na massa do manto de gelo da Groenlândia entre 1992 e 2018. No total, foram utilizados dados de 11 missões de satélites diferentes, incluindo medidas da mudança do volume, do fluxo e da gravidade do manto de gelo.

As descobertas, publicadas em 10 de dezembro na revista “Nature”, mostram que a Groenlândia perdeu 3,8 trilhões de toneladas de gelo desde 1992 – o suficiente para elevar o nível global do mar em 10,6 milímetros. A taxa de perda de gelo aumentou de 33 bilhões de toneladas por ano nos anos 1990 para 254 bilhões de toneladas por ano na última década – um aumento de sete vezes em três décadas.

LEIA TAMBÉM: Base militar secreta dos EUA está ressurgindo com derretimento do gelo na Groenlândia

A avaliação, liderada pelo professor Andrew Shepherd, da Universidade de Leeds (Reino Unido), e pelo dr. Erik Ivins, do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na sigla em inglês) da Nasa na Califórnia, foi apoiada pela Agência Espacial Europeia (ESA) e pela Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (Nasa) dos EUA.

Cenário de ponta

Em 2013, o IPCC previu que o nível do mar global aumentará 60 centímetros até 2100, colocando 360 milhões de pessoas em risco de inundações costeiras anuais. Mas o novo estudo mostra que as perdas de gelo da Groenlândia estão aumentando mais rapidamente do que o esperado e, em vez disso, estão acompanhando o cenário de aquecimento climático de ponta do IPCC, que prevê 7 centímetros a mais.

“Como regra geral, para cada aumento de centímetro no nível do mar global, outros 6 milhões de indivíduos são expostos a inundações costeiras ao redor do planeta”, disse Shepherd. “Nas tendências atuais, o derretimento do gelo da Groenlândia fará com que 100 milhões de pessoas sofram com inundações a cada ano até o fim do século, portanto, 400 milhões no total devido ao aumento do nível do mar. Não são eventos improváveis ​​ou pequenos impactos; estão acontecendo e serão devastadores para as comunidades costeiras.”

A equipe também usou modelos climáticos regionais para mostrar que metade das perdas de gelo se deve ao derretimento da superfície, à medida que a temperatura do ar aumenta. A outra metade se deve ao aumento do fluxo das geleiras, desencadeado pelo aumento da temperatura do oceano.

Possível novo recorde

As perdas de gelo atingiram 335 bilhões de toneladas por ano em 2011 (dez vezes a taxa dos anos 1990) durante um período de intenso derretimento da superfície. Embora a taxa de perda de gelo tenha caído para uma média de 238 bilhões de toneladas por ano desde então, isso permanece sete vezes maior e não inclui todo o ano de 2019, o que poderia estabelecer um novo recorde devido ao derretimento generalizado do verão.

“As observações de satélite do gelo polar são essenciais para monitorar e prever como as mudanças climáticas podem afetar as perdas de gelo e o aumento do nível do mar”, afirmou Ivins. “Embora a simulação por computador nos permita fazer projeções a partir de cenários de mudanças climáticas, as medições por satélite fornecem evidências à primeira vista, bastante irrefutáveis. Nosso projeto é um grande exemplo da importância da colaboração internacional para resolver problemas de escala global.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança