Há no mínimo 10 vezes mais plástico no Atlântico do que se pensava

Estudo britânico indica que a quantidade de plástico despejada no oceano foi substancialmente subestimada

Microplástico: presença subestimada no oceano. Crédito: 5Gyres, cortesia da Oregon State University Oregon State University

A massa de microplásticos ‘invisíveis’ encontrados nas águas de superfície do Oceano Atlântico é de aproximadamente 12-21 milhões de toneladas, de acordo com uma pesquisa publicada na revista “Nature Communications”.

Significativamente, esse valor é apenas para três dos tipos mais comuns de lixo plástico em uma faixa de tamanho limitada. Ainda assim, é comparável em magnitude às estimativas de todos os resíduos de plástico que entraram no Oceano Atlântico nos últimos 65 anos: 17 milhões de toneladas. Isso sugere que a quantidade de plástico despejada no oceano foi substancialmente subestimada.

A autora principal do artigo, drª Katsiaryna Pabortsava, do Centro Nacional de Oceanografia (NOC), do Reino Unido, disse: “Anteriormente, não podíamos equilibrar a massa de plástico flutuante que observamos com a massa que pensávamos ter entrado no oceano desde 1950. porque estudos anteriores não tinham medido as concentrações de partículas microplásticas ‘invisíveis’ abaixo da superfície do oceano. Nossa pesquisa é a primeira a ter feito isso em todo o Atlântico, do Reino Unido às Malvinas”.

LEIA TAMBÉM: Descobertas enormes concentrações de microplásticos no fundo do mar

Compreensão inadequada

O coautor, professor Richard Lampitt, também do NOC, acrescentou: “Se assumirmos que a concentração de microplásticos que medimos a cerca de 200 metros de profundidade é representativa daquela na massa de água até ao fundo do mar abaixo com uma profundidade média de cerca de 3 mil metros, então o Oceano Atlântico pode conter cerca de 200 milhões de toneladas de lixo plástico dessa categoria de tipo e tamanho de polímero específico. Isso é muito mais do que se pensa ter sido despejado”.

“Para determinar os perigos da contaminação do plástico para o meio ambiente e para os humanos, precisamos de boas estimativas da quantidade e características desse material, como ele entra no oceano, como se degrada e qual é a sua toxicidade nessas concentrações”, prosseguiu Lampitt. “Este artigo demonstra que os cientistas tiveram uma compreensão totalmente inadequada até mesmo do mais simples desses fatores, quanto existe, e parece que nossas estimativas de quanto é despejado no oceano foram enormemente subestimadas.”

Pabortsava e Lampitt coletaram suas amostras de água do mar durante a expedição da 26th Atlantic Meridional Transect entre setembro e novembro de 2016. Eles filtraram grandes volumes de água do mar em três profundidades selecionadas nos 200 metros superiores e detectaram e identificaram contaminantes plásticos usando espectroscopia de última geração técnica de imagem. O estudo focalizou o polietileno, o polipropileno e o poliestireno, que são os tipos de plástico mais proeminentes comercialmente e também os mais presentes no lixo plástico.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança