Halo solar brinda o céu de Brasília neste sábado

Fenômeno envolve nuvens de cristal de gelo e a refração da luz solar

Halo solar pôde ser visto em 7 de novembro pelos moradores da capital federal. Crédito: © Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O céu de Brasília ficou diferente neste sábado (7). Diversas coincidências envolvendo nuvens formadas de cristais de gelo, localizadas a mais de 10 mil metros de altura, e a refração da luz solar possibilitaram a formação do chamado “halo solar”, com as cores do arco-íris ao redor do grande astro.

“Não diria que é um evento raro. Mas é um evento lindo e imperdível”, disse à Agência Brasil o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) Mamedes Luiz Melo.

O fenômeno chamado de halo solar pôde ser visto pelos moradores da capital federal por volta das 11h. O efeito é provocado pela refração dos raios solares sobre os cristais de gelo que formaram as nuvens no céu de Brasília.

LEIA TAMBÉM:

Efeito é provocado pela refração dos raios solares sobre os cristais de gelo que formaram as nuvens no céu. Crédito: © Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Segundo ele, esse evento não é formado em qualquer nuvem. “É necessário que essas nuvens sejam formadas de cristais de gelo e a uma altura para lá de 10 mil metros. Mas, para se formar, depende ainda de uma coincidência com relação à posição do Sol, de forma a possibilitar que a refração da luz solar incida sobre esses cristais para então formar o halo”, explicou Mamedes.

Dissipação de nuvens

Evento similar pode ocorrer tendo a Lua ao centro. “Nesse caso, forma-se um círculo de nuvem ao redor do satélite natural”, acrescenta.

Mamedes explica que, em geral, esse evento ocorre quando há dissipação de nuvens, após uma chuva. “As nuvens mais baixas são levadas pelo vento e essas que estão mais altas permanecem. Pode ocorrer também no final de períodos secos, quando as nuvens começam a chegar”.

Quem quiser ver este belo fenômeno precisa, no entanto, evitar olhar diretamente para o Sol. Caso contrário poderá queimar a retina, prejudicando de forma definitiva a visão.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança