• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured17/05/2022

Hepatite misteriosa em crianças estaria ligada a cães (mas a evidência é fraca)

Crédito: Pxfuel

17/05/22 - 11h46min

O recente aumento nos casos de hepatite súbita e grave em crianças em todo o mundo tem sido amplamente divulgado. Recentemente, vários meios de comunicação destacaram uma possível ligação entre casos e contatos com cães de estimação. No entanto, os dados que sugerem essa ligação são extremamente fracos – na verdade, provavelmente muito mais fracos do que a maioria das hipóteses alternativas que foram propostas.

O aumento nos casos de hepatite em crianças foi notado pela primeira vez no Reino Unido, mas agora foi relatado na Europa, Ásia e Américas. Embora os números em todo o mundo ainda sejam muito baixos, a doença tem sido grave e algumas crianças precisaram de um transplante de fígado. Pelo menos 11 crianças morreram, e há sugestões de que isso pode continuar por algum tempo.

A hepatite em humanos é normalmente causada por toxicidade, como o álcool, ou por infecções com um dos vários vírus diferentes. No entanto, nenhum dos vírus usuais foi identificado nessas crianças.

A UK Health and Security Agency (UKHSA), a agência responsável pela proteção da saúde pública no Reino Unido, está trabalhando para descobrir a causa da doença de modo que possa ser efetivamente controlada e tratada.

Exposição a cães

Em um informe recente, a agência relatou um alto número de “exposições a cães” nesses casos de hepatite infantil grave. No entanto, antes que os pais impeçam seus filhos de ir para perto do cão da família, vale a pena olhar para os resultados em detalhe.

A UKHSA descobriu que 70% dos pacientes (64 de 92, cujos dados estavam disponíveis) eram de famílias donas de cães ou tinham “outras exposições a cães”. No entanto, 33% das famílias no Reino Unido possuem cães, e muito mais crianças de famílias que não possuem cães serão expostas a cães quando visitarem ou brincarem com seus amigos. Setenta por cento de exposição a cães pode ser totalmente normal.

Para sugerir uma ligação, é importante mostrar não só que a exposição a cães em pacientes é alta, mas que é maior do que em crianças não afetadas. Até que seja verificado o que é conhecido como um estudo de caso-controle, qualquer ligação não é nada mais do que uma sugestão.

Um segundo problema com os dados é que, se você fizer perguntas suficientes, há uma forte probabilidade de que as respostas a uma ou mais perguntas possam parecer vinculadas a casos.

Onde coletamos quantidades muito grandes de dados de forma retrospectiva, esse tipo de associação espúria pode facilmente ocorrer. Na verdade, existe um site dedicado a coletá-los. Aqui está um exemplo: a taxa de divórcio no estado americano do Maine entre 2000 e 2009 parece estar fortemente ligada ao consumo per capita de margarina.

Hipóteses a serem verificadas

O ponto importante sobre as ligações identificadas pelos dados retrospectivos é que elas são hipóteses. Elas sempre precisam ser verificadas através da coleta de dados adicionais em torno de novos casos. Se a ligação é real, ela continuará a aparecer em novos dados. Se é espúria, não vai.

Uma das associações no site da falsa correlação mostra um outro problema importante. Entre 2000 e 2009, o consumo per capita de queijo nos EUA parece estar ligado a mortes como resultado de ficar embrulhado em lençóis.

Na verdade, não é difícil pensar que isso pode acontecer como resultado de pesadelos induzidos por queijo. O fato de que podemos pensar em um mecanismo subjacente à ligação nos dá mais confiança de que poderia ser verdade, mesmo se o mecanismo for bastante rebuscado. Tendemos a colocar mais peso sobre as associações em que podemos pensar em uma razão, mesmo quando a evidência é pobre.

Então, quais são as possíveis causas do pico em casos de hepatite em crianças, e qualquer uma delas poderia estar ligada a cães? Um vírus em particular, um adenovírus, foi detectado no sangue de 72% dos pacientes testados (para comparação, o SARS-CoV-2 foi detectado em apenas 18%).

Onde foi possível identificar o tipo, descobriu-se que era o adenovírus 41 (Ad41), um tipo humano que normalmente causa diarreia em crianças. Embora os cães tenham seus próprios adenovírus que causam doenças respiratórias ou hepatite, eles não são conhecidos por infectar humanos e o Ad41 não tem associação conhecida com cães.

Os casos em crianças não sugerem que a infecção esteja passando entre crianças – há muito poucos casos, muito amplamente distribuídos para isso. Da mesma forma, a distribuição dos casos não sugere que este seja um novo vírus transmitido de cães para crianças. Os casos apareceram em outros países muito mais rapidamente do que um vírus canino se espalharia entre cães.

Causas possíveis

Existem outras causas possíveis? Tem sido sugerido que a gravidade da hepatite é resultado do funcionamento incorreto do sistema imunológico – muito forte ou não forte o suficiente. O distanciamento social durante a pandemia reduziu a transmissão de uma série de doenças, e a falta de exposição a elas pode ter deixado algumas crianças despreparadas para infecções que normalmente não causariam problemas.

Da mesma forma, a falta de exposição à sujeira como resultado da lavagem das mãos, esterilização de superfícies e outras medidas de higiene podem ter predisposto as crianças a respostas imunes hiper-reativas (como foi sugerido para doenças alérgicas), e a hepatite pode ser causada pela resposta imune em vez de um vírus. Finalmente, e não surpreendentemente, sugeriu-se que infecções anteriores por covid podem ter predisposto as crianças à hepatite.

Tudo isso não passa de teorias no momento, e os dados disponíveis são insuficientes para priorizar qualquer uma delas ou usá-las para sugerir medidas de controle. Felizmente, a incidência ainda é extremamente baixa e, até que haja dados melhores, os pais provavelmente devem se concentrar mais em ficar de olho em quaisquer sintomas em seus filhos do que em reduzir sua exposição a cães.

* Mick Bailey é professor de Imunologia Comparada na Universidade de Bristol (Reino Unido).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

adenovírus