‘Homem Dragão’ achado na China seria nosso parente mais próximo

Espécie descoberta tinha crânio capaz de conter um cérebro compatível em tamanho com o do Homo sapiens

Reconstituição artística do Homo longi em seu habitat. Crédito: Chuang Zhao

Um antigo fóssil humano quase perfeitamente preservado, conhecido como crânio de Harbin, que está no Museu de Geociências da Hebei GEO University (China), é o maior dos crânios de Homo conhecidos. Cientistas agora dizem que esse crânio tem outra característica especial: ele representa uma espécie humana recém-descoberta chamada Homo longi, ou “Homem Dragão”. Suas descobertas sugerem que a linhagem do Homo longi pode ser nosso parente mais próximo – e tem o potencial de reformular nossa compreensão da evolução humana. Elas foram apresentadas em três artigos publicados na revista The Innovation.

Os artigos publicados na revista são os seguintes: Shao et al., Geochemical provenancing and direct dating of the Harbin archaic human cranium; Ji et al., Late Middle Pleistocene Harbin cranium represents a new Homo species; Ni et al., Massive cranium from Harbin in northeastern China establishes a new Middle Pleistocene human lineage.

“O fóssil de Harbin é um dos fósseis cranianos humanos mais completos do mundo”, disse o autor Qiang Ji, professor de paleontologia da Hebei GEO University. “Esse fóssil preservou muitos detalhes morfológicos que são essenciais para a compreensão da evolução do gênero Homo e da origem do Homo sapiens.”

Imagem comparativa (da esquerda para a direita) entre crânios dos Homens de Pequim, Maba, Jinniushan, Dali e Harbin. Crédito: Kai Geng
Características diferenciadas

O crânio foi descoberto na década de 1930 na cidade de Harbin, na província de Heilongjiang (nordeste da China). Enorme, esse crânio poderia conter um cérebro comparável em tamanho ao dos humanos modernos. Mas ele tinha órbitas maiores, quase quadradas, sobrancelhas grossas, boca larga e dentes bem grandes. “Embora mostre características humanas arcaicas típicas, o crânio de Harbin apresenta uma combinação em mosaico de características primitivas e derivadas que se diferenciam de todas as outras espécies anteriormente chamadas de Homo”, disse Ji. Isso levou à designação de sua nova espécie como Homo longi.

Os cientistas acreditam que o crânio veio de um indivíduo do sexo masculino, com aproximadamente 50 anos, que vivia em um ambiente de várzea com floresta e fazia parte de uma pequena comunidade. “Como o Homo sapiens, eles caçavam mamíferos e pássaros, colhiam frutas e vegetais e talvez até pescassem”, observou o autor Xijun Ni, professor de primatologia e paleoantropologia da Academia Chinesa de Ciências e da Hebei GEO University. Dado que o indivíduo de Harbin era provavelmente muito grande, assim como o local onde o crânio foi encontrado, os pesquisadores sugerem que o H. longi pode ter se adaptado a ambientes hostis. Isso permitiria que a espécie se dispersasse pela Ásia.

Usando uma série de análises geoquímicas, Ji, Ni e sua equipe dataram o fóssil de Harbin em pelo menos 146 mil anos. A data o situou no Pleistoceno Médio, uma era dinâmica de migração da espécie humana. Eles levantam a hipótese de que H. longi e H. sapiens poderiam ter se encontrado durante essa era.

Encontros possíveis

“Vemos várias linhagens evolutivas de espécies e populações de Homo coexistindo na Ásia, África e Europa durante esse tempo. Então, se o Homo sapiens realmente chegou ao Leste Asiático tão cedo, eles poderiam ter a chance de interagir com H. longi. Como não sabemos quando o grupo de Harbin desapareceu, poderia ter havido encontros posteriores também”, disse o autor Chris Stringer, paleoantropólogo do Museu de História Natural de Londres.

Olhando mais para trás no tempo, os pesquisadores também descobriram que o Homo longi é um de nossos parentes hominídeos mais próximos. Seria um parente ainda mais próximo de nós do que os neandertais. “Acredita-se amplamente que o neandertal pertence a uma linhagem extinta que é o parente mais próximo de nossa própria espécie. No entanto, nossa descoberta sugere que a nova linhagem que identificamos que inclui o Homo longi é o verdadeiro grupo irmão do H. sapiens”, disse Ni.

Evolução reescrita

Sua reconstrução da árvore da vida humana também sugere que o ancestral comum que compartilhamos com os neandertais existia ainda mais longe no tempo. “O tempo de divergência entre o H. sapiens e os neandertais pode ser ainda mais profundo na história evolutiva do que geralmente se acredita, mais de um milhão de anos”, afirmou Ni. Se for verdade, provavelmente divergimos dos neandertais cerca de 400 mil anos antes do que os cientistas pensavam.

Os pesquisadores afirmam que as descobertas obtidas no crânio de Harbin têm o potencial de reescrever elementos importantes da evolução humana. Sua análise da história de vida do Homo longi sugere que eles eram seres humanos fortes e robustos, cujas interações potenciais com o Homo sapiens podem ter moldado nossa história. “Ao todo, o crânio de Harbin fornece mais evidências para que possamos entender a diversidade Homo e as relações evolutivas entre essas diversas espécies e populações Homo”, disse Ni. “Encontramos nossa linhagem irmã há muito perdida.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago