Homem primitivo escolhia com critério pedras para ferramentas

Artefatos encontrados na Tanzânia mostra que, há 1,8 milhão de anos, qualidade de corte e durabilidade já eram características relevantes

Desfiladeiro de Olduvai, na Tanzânia: local de uma surpreendente indústria lítica. Crédito: Noel Feans/Wikimedia

As populações da Idade da Pedra, que viveram até 1,8 milhão de anos atrás, tomavam decisões complexas na seleção de diferentes tipos de pedra para otimizar uma variedade de ferramentas de corte, de acordo com um novo estudo da Universidade de Kent, da University College London (UCL), do Reino Unido, e do Centro de Ciências Humanas e Sociais da Espanha.

O estudo, publicado na revista “Journal of Royal Society Interface”, oferece uma nova visão sobre a complexidade do uso, do desenho e da produção de ferramentas de pedra. Os pesquisadores sugerem que os hominínios (subtribo de primatas hominídeos cujo único sobrevivente é a espécie humana) selecionavam matérias-primas com base na sua qualidade de corte e na sua durabilidade. Eles também consideravam por quanto tempo uma ferramenta foi projetada para ser usada, seu desempenho funcional relativo e a distância que os hominínios tinham que viajar para encontrar fontes de matérias-primas.

A pesquisa é baseada em evidências de testes mecânicos das matérias-primas e dos artefatos encontrados no desfiladeiro de Olduvai, na Tanzânia, um dos locais mais importantes do mundo para pesquisas sobre origens humanas.

LEIA TAMBÉM: Cientistas recriam anatomia de hominídeo de Denisova

O autor principal, Alastair Key, da Universidade de Kent, afirmou: “O porquê de as populações de Olduvai escolherem preferencialmente uma matéria-prima em detrimento de outra intriga os arqueólogos há mais de 60 anos. Isso ficou ainda mais intrigante, já que alguns tipos de pedras, incluindo lavas e quartzitos, estavam sempre disponíveis”.

Decisões complexas

“O que conseguimos demonstrar é que nossos ancestrais estavam tomando decisões bastante complexas sobre quais matérias-primas usar e o faziam de uma maneira que produzia ferramentas otimizadas para circunstâncias específicas”, ele acrescentou. “Embora soubéssemos que as espécies de hominídeos posteriores, incluindo a nossa, foram capazes de tomar essas decisões, é incrível pensar que as populações de 1,8 a 1,2 milhão de anos atrás também o estavam fazendo.”

Tomos Proffitt, da UCL Archaeology e coautor do estudo, disse: “Os processos de decisão subjacentes aos comportamentos de seleção de matérias-primas representam um elemento importante da pesquisa paleolítica e são frequentemente vitais para interpretar o comportamento e as capacidades cognitivas dos primeiros hominínios”.

O desfiladeiro de Olduvai possui três grupos principais de matéria-prima adequados para a produção de ferramentas de pedra; lavas, sílex córneo e quartzito. Cada um foi usado por hominínios, mas sua seleção varia cronologicamente entre os locais e depende do tipo de ferramenta produzida. A indústria pré-histórica da produção de ferramentas de pedra nesse local é descrita pelo termo Oldowan.

Os cientistas empregaram métodos experimentais mais comumente usados ​​em pesquisas modernas de engenharia. Eles descobriram que o sílex córneo foi selecionado para flakes (ferramentas feitas de pedaços menores de pedra) e ferramentas retocadas. As lavas eram usadas para produzir flakes, cores (ferramentas feitas para lascar e modelar pedras grandes) e grandes ferramentas de corte, tais como bifaces (tipo de machado de mão). Já o quartzito foi usado predominantemente para a produção de pequenos flakes (ferramentas de pedra lascada).

Otimização

O sílex córneo e o quartzito do desfiladeiro de Olduvai mostraram-se significativamente mais afiados que o basalto coletado no mesmo local. No entanto, o basalto mostrou-se mais durável.

Ao selecionarem o material mais adequado às necessidades funcionais específicas, os hominínios otimizaram o desempenho de suas ferramentas e garantiram que a eficiência e a facilidade de uso fossem maximizadas.

Proffitt disse: “Os primeiros hominínios durante o (período da indústria) Oldowan provavelmente usavam flakes para uma variedade de tarefas. Principalmente para massacrar animais enquanto limpavam, mas provavelmente também para cortar várias plantas e possivelmente moldar madeira. Uma aresta de corte durável teria sido um fator importante ao usar essas ferramentas”.

“Há muitas técnicas analíticas modernas empregadas nas ciências e na engenharia de materiais que podem ser usadas para questionar os registros arqueológicos, e muitas fornecem novas ideias sobre as propriedades mecânicas de tais ferramentas e artefatos. Entender o modo como essas ferramentas operam e os limites funcionais permite aos arqueólogos construir uma compreensão maior das capacidades de nossos ancestrais mais antigos, no início da tecnologia”, acrescentou Proffitt.