• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia28/12/2021

Homo sapiens saiu da África em diversas migrações

Homo sapiens: chegada aos continentes europeu e asiático foi só por via terrestre, segundo pesquisadores. Crédito:
UnifiArt/Pixabay

28/12/21 - 12h46min

Que rotas o Homo sapiens percorreu em seu caminho da África para a Europa e a Ásia nos milênios anteriores? As condições climáticas mudaram e, com elas, as condições de vida. O avanço foi dificultado em alguns lugares por desertos, em outros por densas florestas.

Nos últimos 12 anos, uma equipe de pesquisadores dentro da estrutura do Centro de Pesquisa Colaborativa 806 “Our Way to Europe” desvendou a complexa interação de inovações culturais e ambientais que moldaram as migrações. Após a conclusão do projeto conjunto interdisciplinar, os pesquisadores agora apresentam um livro com as descobertas mais importantes sob a liderança das Universidades de Bonn e de Colônia (Alemanha).

Esforço de compreensão

O berço do homem está na África – isso é conhecido há meio século. Uma década atrás, a discussão acadêmica ainda era dominada pela ideia de que um pequeno grupo de Homo sapiens migrou da África para a Europa cerca de 70 mil anos atrás. Por meio da superioridade anatômica e intelectual, esse grupo teria deslocado populações locais arcaicas à medida que avançava, deixando o Homo sapiens como o único ramo genético da humanidade a sobreviver.

“Essa noção mudou fundamentalmente desde que ficou claro que os neandertais contribuíram com pelo menos uma pequena parte para o genoma do Homo sapiens”, disse o prof. dr. Thomas Litt, paleobotânico da Universidade de Bonn, editor principal do livro e porta-voz adjunto do Centro de Pesquisa Colaborativa. “A genética não conta exatamente a mesma história – ou uma parte diferente da história – que a paleontologia e a arqueologia.”

A equipe, portanto, se esforçou para compreender melhor esse quadro polêmico, analisando informações sobre a natureza e o meio ambiente, bem como o papel da cultura, dessa dinâmica populacional pré-histórica. Os pesquisadores se concentraram em diferentes períodos de tempo: desde o surgimento dos humanos modernos, sua dispersão, o repovoamento da Idade do Gelo na Europa, o assentamento neolítico e a migração de sociedades estabelecidas.

As novas descobertas mostram que não foi apenas uma onda de migração: várias populações africanas de Homo sapiens seguiram uma jornada de até 5 mil quilômetros para a Europa e a Ásia. A datação radiométrica aprimorada de fósseis de Homo sapiens sugere ainda que a área de origem dos humanos modernos inclui não apenas a África Oriental, mas também as regiões Sul e  Noroeste desse continente. A escala de tempo do Homo sapiens agora remonta a 300 mil anos. A equipe do prof. Litt investigou quando e onde corredores ou barreiras de migração existiam de uma perspectiva paleoecológica e paleoclimatológica.

Rota oeste: sem evidência científica

Até agora, a ciência presumia que havia duas rotas principais possíveis que o homem moderno poderia ter tomado para a Europa: a oeste, pelo Estreito de Gibraltar, e a leste, pelo Levante. Apesar da curta distância através do Estreito de Gibraltar, nos últimos 12 anos os pesquisadores não conseguiram encontrar nenhuma evidência de contato cultural direto entre o Marrocos e a Península Ibérica ou evidência de cruzar o estreito durante o Paleolítico. “Este é um dos grandes pontos de interrogação na história da ocupação humana no Mediterrâneo Ocidental”, disse Litt sobre essa descoberta surpreendente. Evidentemente, o Estreito de Gibraltar tinha sido mais uma barreira na época devido às fortes correntes oceânicas.

“Isso deixa o Levante, a única ponte de terra permanente entre a África e a Eurásia, como a região-chave como rota de migração para os humanos modernos”, disse Litt. Seu grupo de pesquisa conduziu pesquisas intensivas em núcleos de perfuração, por exemplo, do Mar Morto ou do Mar da Galileia, nos quais o pólen das plantas é preservado. Isso permite que as mudanças na cobertura vegetal sejam identificadas e as condições ambientais e climáticas sejam reconstruídas. “Esses dados ilustram que o Levante só poderia ter servido de corredor quando, em condições mais favoráveis, por exemplo, nem desertos nem florestas densas impediram o avanço”, observou Litt.

Trabalho conjunto

Por 12 anos, a equipe de pesquisa interdisciplinar de arqueologia, geociências, ciência do solo, etnologia e geografia do Centro de Pesquisa Colaborativa 806 “Nosso Caminho para a Europa” decifrou as migrações do Homo sapiens. Cerca de cem pesquisadores estiveram envolvidos e muitas centenas de artigos científicos foram publicados. Além das universidades de Colônia e de Bonn, a RWTH Aachen University e vários parceiros de cooperação dos Estados Unidos, África, Oriente Médio e Europa também estiveram envolvidos.

Os principais resultados estão agora resumidos no livro de 372 páginas The Journey of Modern Humans from Africa to Europe, editado conjuntamente pelo paleobotânico prof. dr. Thomas Litt (Bonn), pelo prof. dr. Jürgen Richter, de pré-história, e pelo prof. dr. Frank Schäbitz, de geografia (ambos da Universidade de Colônia). “O livro deve ser atraente e relevante para todos os leitores interessados ​​em compreender a pré-história de nossa própria espécie, suas rotas migratórias e motivações para a migração desencadeadas por complexas interações de sua cultura e ambiente”, disse Litt.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

África