Hubble 31 anos: estrela à morte é mostrada em mais detalhes

As duas imagens reproduzidas aqui revelam bolhas de poeira e uma explosão de gás – os atos finais da vida da monstruosa estrela AG Carinae

Detalhes das emissões ionizadas de hidrogênio e nitrogênio da camada em expansão da nebulosa (vista aqui em vermelho) que cerca a estrela AG Carinae. Crédito: ESA/Hubble e Nasa, A. Nota, C. Britt

As novas visualizações reproduzidas acima e abaixo mostram a natureza dupla da estrela AG Carinae, alvo da imagem do 31º aniversário do telescópio espacial Hubble, da Nasa/ESA, em abril de 2021. Esta nova perspectiva é o resultado das observações do Hubble da estrela em 2020 e 2014, junto com outras capturadas pela Wide Field Planetary Camera 2 do telescópio em 1994.

A imagem no alto mostra detalhes das emissões ionizadas de hidrogênio e nitrogênio da camada em expansão da nebulosa (vista aqui em vermelho). Na segunda imagem, a cor azul delineia a distribuição de poeira que brilha na luz refletida da estrela. Os astrônomos acham que ventos estelares poderosos vindos da estrela formaram e moldaram as bolhas de poeira e os filamentos. A nebulosa tem cerca de cinco anos-luz de largura, semelhante à distância daqui até a estrela mais próxima além do Sol, Proxima Centauri.

Outra versão da AG Carinae: a cor azul delineia a distribuição de poeira que brilha na luz refletida da estrela. Crédito: ESA/Hubble e Nasa, A. Nota, C. Britt

A AG Carinae é formalmente classificada como uma variável luminosa azul porque é uma estrela brilhante (que emite luz azul), que varia em brilho. Essas estrelas são muito raras porque poucas são tão massivas. Estrelas variáveis ​​azuis luminosas perdem massa continuamente nos estágios finais da vida.

Material ejetado

A estrela está travando um cabo de guerra entre a gravidade e a pressão de radiação para evitar que se autodestrua. À medida que a estrela começa a ficar sem combustível, sua pressão de radiação diminui e a gravidade começa a se firmar. O material estelar sucumbe à gravidade e vai para dentro. Ele aquece e é ejetado de forma explosiva para o espaço interestelar circundante. Esse processo continua até que massa suficiente seja perdida e a estrela alcance um estado estável.

A espetacular nebulosa ao redor da AG Carinae foi formada por material ejetado da estrela durante várias de suas explosões anteriores. A nebulosa tem aproximadamente 10 mil anos de idade e a velocidade observada do gás é de pouco mais de 69 quilômetros por segundo.

Embora essa nebulosa se pareça com um anel, é na verdade uma concha oca cujo centro foi limpo de gás e poeira por um poderoso vento estelar viajando a cerca de 199 quilômetros por segundo. O gás (composto principalmente de hidrogênio ionizado e nitrogênio) nessas imagens aparece como um grosso anel vermelho brilhante, que aparece duplicado em alguns lugares – possivelmente o resultado de várias explosões colidindo umas com as outras. A poeira, vista aqui em azul, formou-se em aglomerados, bolhas e filamentos e foi moldada pelo vento estelar.

Cientistas que observaram a estrela e a nebulosa que a cerca notaram que o anel não é perfeitamente esférico. Parece ter simetria bipolar. Isso pode significar que o mecanismo que produz a explosão pode ser o resultado de um disco no centro ou a estrela pode ter uma companheira (conhecida como estrela binária). Uma teoria alternativa e mais simples é que, como muitas estrelas massivas, AG Carinae pode girar muito rapidamente.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago