Hubble à caça de estrelas mortas

Entre estrelas jovens, outras mais velhas e algumas que nunca foram especialmente quentes, a galáxia NGC 2906 pode conter supernovas – marca das etapas finais da vida de alguns desses sóis

Galáxia NGC 2906: alvo da busca do Hubble por supernovas. Crédito: ESA/Hubble & Nasa, A. Filippenko
Galáxia NGC 2906: alvo da busca do Hubble por supernovas. Crédito: ESA/Hubble & Nasa, A. Filippenko

A imagem acima, obtida pelo Telescópio Espacial Hubble, da Nasa/ESA, descreve uma galáxia espiral em turbilhão chamada NGC 2906, localizada na direção da constelação de Leão.

+ Cientistas criam método preciso para analisar origem de fezes antigas
+ Hubble à caça de estrelas mortas
+ Como reduzir a transmissão de vírus em prédios e deixá-los mais saudáveis

As manchas azuis vistas espalhadas por essa galáxia são enormes estrelas jovens, que emitem radiação quente e azulada enquanto queimam seu combustível a uma taxa imensa.

As faixas em laranja são uma mistura de estrelas mais velhas que incharam e esfriaram e estrelas de baixa massa que nunca foram especialmente quentes para começar. Devido a suas temperaturas mais baixas, essas estrelas emitem uma radiação mais fria e avermelhada.

Esta imagem da NGC 2906 foi obtida pela Wide Field Camera 3 do Hubble, um instrumento instalado em 2009, durante a quarta missão de manutenção do telescópio. O Hubble observou essa galáxia em busca de luz fraca de ocorrências recentes e próximas de objetos conhecidos como supernovas – explosões muito brilhantes que ocorrem nos estágios finais da evolução de algumas estrelas.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança