Hubble apresenta um invisível vendaval galáctico

Intensa formação de estrelas na galáxia NGC 4666 está causando um fenômeno climático extremo, o supervento

Galáxia NGC 4666: muita coisa acontecendo além do alcance do Hubble. Crédito: ESA/Hubble & Nasa, O. Graur. Agradecimento: L. Shatz

A galáxia NGC 4666 é o centro das atenções nesta imagem do telescópio espacial Hubble, da Nasa/ESA. Essa majestosa galáxia espiral fica a cerca de 80 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Virgem, e está passando por um episódio particularmente intenso de formação de estrelas. Os astrônomos se referem a galáxias que estão formando estrelas de forma anômala rapidamente como galáxias estelares.

Acredita-se que a explosão estelar da NGC 4666 seja devido a interações gravitacionais com seus vizinhos indisciplinados – incluindo a galáxia próxima NGC 4668 e uma galáxia anã.

A explosão da formação de estrelas da NGC 4666 está conduzindo um tipo incomum de fenômeno climático galáctico extremo. Denominado supervento, ele é uma transferência gigantesca de gás do brilhante coração central da galáxia para o espaço. Esse supervento resulta dos ventos impulsionadores de estrelas massivas de curta duração formados durante a explosão estelar da NGC 4666, bem como de explosões de supernovas espetacularmente energéticas. Duas dessas explosões de supernova foram vistas na NGC 4666 na última década – uma em 2014 e a outra em 2019. Recentemente descobriu-se que a estrela que levou à supernova de 2019 era 19 vezes mais massiva que o nosso Sol.

Torrente de gás gigantes

No pico, as supernovas são frequentemente as fontes de luz mais brilhantes em suas galáxias. Elas brilham tanto que podem ser vistas claramente em todo o universo. A supernova de 2014 na NGC 4666 ainda está ativa nesta imagem. No entanto, mais de 900 dias depois de atingir o pico, essa supernova já perdeu sua antiga glória. Agora, ela parece apenas mais uma estrela nessa movimentada galáxia.

Embora a torrente de gás superaquecido que emana da NGC 4666 seja realmente vasta em escala, estendendo-se por dezenas de milhares de anos-luz, ela é invisível nesta imagem. A temperatura extremamente alta do supervento faz com que ele se destaque como uma pluma luminosa em observações de raios X ou rádio, mas não aparece nos comprimentos de onda visíveis fotografados pela Wide Field Camera 3 do Hubble.

Confira a seguir um vídeo sobre esse fenômeno:

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África