• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia31/03/2022

Hubble bate recorde e registra a estrela mais distante já vista

Hubble bate recorde e registra a estrela mais distante já vista

Hubble bate recorde e registra a estrela mais distante já vista (Foto: Reprodução/Twitter)

31/03/22 - 15h46min

O Telescópio Espacial Hubble, da NASA, estabeleceu um novo marco extraordinário: detectar a luz de uma estrela que existiu no primeiro bilhão de anos após o nascimento do Universo no Big Bang, a estrela individual mais distante já vista.

A descoberta é um grande salto no tempo em comparação com o recordista anterior de uma única estrela, detectada pelo Hubble em 2018. Essa estrela existia quando o universo tinha cerca de 4 bilhões de anos, ou 30% de sua idade atual, em um momento que os astrônomos chamam de "desvio para o vermelho 1,5".

Os cientistas usam a palavra "desvio para o vermelho" porque, à medida que o Universo se expande, a luz de objetos distantes é esticada ou "deslocada" para comprimentos de onda mais longos e mais vermelhos à medida que viaja em nossa direção.

Mas, a estrela recém-detectada está tão longe que sua luz levou 12,9 bilhões de anos para chegar à Terra, aparecendo para nós como quando o universo tinha apenas 7% de sua idade atual, com "desvio para o vermelho de 6,2". Os menores objetos vistos anteriormente a uma distância tão grande são aglomerados de estrelas, embutidos dentro de galáxias primitivas.

"Nós quase não acreditávamos no começo, era muito mais longe do que a estrela anterior mais distante e com maior desvio para o vermelho", disse o astrônomo Brian Welch, da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, principal autor do artigo que descreve a descoberta, que foi publicado na revista Nature na quarta-feira (30/03).

A descoberta foi feita a partir de dados coletados durante o programa RELICS (Reionization Lensing Cluster Survey) do Hubble, liderado pelo coautor Dan Coe no Space Telescope Science Institute (STScI).

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Hubble