Hubble flagra fragmentação do cometa ATLAS

Fotos obtidas dias atrás evidenciam que o cometa se partiu

Fotos do Hubble de 20 e 23 de abril mostram o avanço no processo de desfragmentação do cometa. Crédito: Nasa, ESA, D. Jewitt (UCLA), Q. Ye (Universidade de Maryland)

O Telescópio Espacial Hubble, da Nasa/ESA, forneceu aos astrônomos a visão mais nítida até o momento do colapso do cometa C/2019 Y4 (ATLAS). O telescópio flagrou aproximadamente 30 fragmentos do frágil cometa em 20 de abril e 25 pedaços em 23 de abril.

O cometa foi descoberto pela primeira vez em dezembro de 2019 pelo sistema de pesquisa astronômica robótica ATLAS (Asteroid Terrestrial-impact Last Alert System) no Havaí, EUA. Ele se iluminou rapidamente até meados de março, e alguns astrônomos previram inicialmente que ele poderia ser visível a olho nu em maio – em caso positivo, ele se tornaria um dos cometas mais espetaculares vistos nas últimas duas décadas.

No entanto, o cometa começou abruptamente a ficar mais escuro, levando os astrônomos a especular que o núcleo de gelo poderia estar se fragmentando ou até se desintegrando. A fragmentação do ATLAS foi confirmada pelo astrônomo amador José de Queiroz, que fotografou cerca de três pedaços do cometa em 11 de abril.

LEIA TAMBÉM: Fósforo, elemento-chave da vida, teria chegado à Terra por cometas

As novas observações do Hubble sobre a fragmentação do cometa em 20 e 23 de abril revelam que os pedaços quebrados estão todos envoltos em uma cauda de poeira cometária, varrida pela luz do Sol. Essas imagens fornecem mais evidências de que a fragmentação do cometa é provavelmente comum e pode até ser o mecanismo dominante pelo qual os núcleos sólidos e gelados dos cometas morrem.

Aparência mudada

“A aparência deles muda substancialmente entre os dois dias, tanto que é bastante difícil conectar os pontos”, disse David Jewitt, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), líder de uma das duas equipes que fotografaram o cometa condenado com o Hubble. “Não sei se isso ocorre porque os pedaços piscam quando refletem a luz do Sol, agindo como luzes cintilantes em uma árvore de Natal, ou porque fragmentos diferentes aparecem em dias diferentes.”

“Isso é realmente empolgante – tanto porque esses eventos são superlegais de assistir quanto porque eles não acontecem com muita frequência”, afirmou Quanzhi Ye, da Universidade de Maryland, líder da segunda equipe de observação do Hubble. “A maioria dos cometas que se fragmentam são escuros demais para serem vistos. Eventos em tal escala acontecem apenas uma ou duas vezes por década.”

Como a fragmentação do cometa ocorre de forma rápida e imprevisível, observações confiáveis ​​são raras. Portanto, os astrônomos permanecem bastante incertos sobre a causa da fragmentação. Uma sugestão é que o núcleo original se desmanche por causa da ação de desgaseificação a partir da sublimação de gelo. Como essa ventilação provavelmente não está uniformemente dispersa pelo cometa, ela aumenta a ruptura. “Uma análise mais aprofundada dos dados do Hubble pode mostrar se esse mecanismo é ou não responsável”, disse Jewitt. “Independentemente disso, é muito especial dar uma olhada com o Hubble nesse cometa moribundo.”

Novas pistas

As imagens nítidas do Hubble podem gerar novas pistas para a fragmentação. O telescópio distinguiu pedaços distintos tão pequenos quanto o tamanho de uma casa. Antes da quebra, todo o núcleo não podia ter mais do que o comprimento de dois campos de futebol.

O cometa ATLAS em desintegração está atualmente localizado dentro da órbita de Marte, a uma distância de aproximadamente 145 milhões de quilômetros da Terra quando as últimas observações do Hubble foram feitas. O cometa fará sua aproximação mais próxima da Terra em 23 de maio, a uma distância de aproximadamente 115 milhões de quilômetros e, oito dias depois, contornará o Sol, a 37 milhões de quilômetros da estrela.

Animação com a fragmentação do cometa. Crédito: Nasa, ESA, D. Jewitt (UCLA), Q. Ye (Universidade de Maryland)