Hubble flagra uma galáxia canibal

A bela NGC 4651 ainda exibe indícios de ter devorado uma galáxia anã para chegar ao seu formato atual

Galáxia NGC 4651: a aparência bonita esconde um passado de canibalismo. Crédito: ESA/Hubble & Nasa, D. Leonard

A notável galáxia espiral mostrada acima, conhecida como NGC 4651, pode parecer serena e pacífica enquanto gira no vasto e silencioso vazio do espaço nesta foto do Telescópio Espacial Hubble, da Nasa e da ESA. Mas existe um segredo violento por trás de tudo isso. Acredita-se que a NGC 4651 tenha consumido outra galáxia menor para se tornar a espiral grande e bonita que observamos hoje.

Localizada na direção da constelação de Coma Berenices, a NGC 4651 (também conhecida como galáxia do guarda-chuva) foi descoberta em 30 de dezembro de 1783 pelo astrônomo germano-inglês William Herschel. Ela está entre 36 milhões e 72 milhões de anos-luz da Terra.

A estrutura em forma de guarda-chuva que deu origem ao apelido se estende de seu disco e é composta de correntes estelares, remanescentes da galáxia menor que foi dilacerada pelas forças de maré da NGC 4651.

LEIA TAMBÉM: Astrônomos desvendam “canibalismo cósmico” que deu origem à Via Láctea

Embora apenas um telescópio como o Hubble possa nos dar uma imagem nítida dela, a NGC 4651 também pode ser observada com um telescópio amador. Portanto, se o leitor tiver um telescópio em casa e gostar de observar as estrelas por ele, vale a pena procurar essa espiral carnívora brilhante.