Hubble mostra a Nebulosa da Águia como você nunca viu

Na imagem em infravermelho, os impressionantes e icônicos Pilares da Criação aparecem em contornos fantasmagóricos

Nebulosa da Águia observada pelo Hubble na luz infravermelha: visão desconhecida e surpreendente. Crédito: Crédito: Nasa, ESA/Hubble & Hubble Heritage Team

Os olhos humanos podem ver apenas uma pequena porção da faixa de radiação emitida pelos objetos ao nosso redor. Chamamos essa ampla gama de radiação de espectro eletromagnético, e a parte que podemos ver, de luz visível.

Nesta imagem do Telescópio Espacial Hubble, da Nasa e da Agência Espacial Europeia (ESA), os pesquisadores revisitaram uma das imagens mais icônicas e populares feitas por ele: os Pilares da Criação da Nebulosa da Águia.

Aqui, os pilares são vistos na luz infravermelha, que penetra através da obscuridade da poeira e do gás e revela uma visão mais desconhecida – mas igualmente surpreendente – dessas formações. A imagem mais popular, reproduzida abaixo, é a dos pilares sob luz visível.

LEIA TAMBÉM: Festival de bolhas cósmicas na constelação da Águia

Os Pilares da Criação da Nebulosa da Águia sob a luz visível. Crédito: Nasa, ESA/Hubble & Hubble Heritage Team

Na visão etérea da nebulosa (também conhecida como Messier 16, ou M16) proporcionada pelo infravermelho, todo o quadro é salpicado de estrelas brilhantes, e estrelas-bebês são reveladas sendo formadas dentro dos próprios pilares. Os contornos fantasmagóricos dos pilares parecem muito mais delicados e apresentam uma silhueta contra uma misteriosa névoa azul.

Na página Hubble Inspires, os interessados poderão encontrar muitos outros exemplos de como a luz afeta as imagens que vemos, além de outras atividades para os amantes da astronomia.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança