Hubble mostra Saturno em pleno verão

Foto do início de julho exibe uma imagem nítida do planeta dos anéis durante o verão em seu hemisfério norte

Saturno em 4 de julho: verão no hemisfério norte do planeta. Crédito: Crédito: Nasa, ESA, A. Simon (Centro de Voos Espaciais Goddard), M. H. Wong (Universidade da Califórnia, Berkeley) e Equipe Opal

Saturno é verdadeiramente o senhor dos anéis na foto acima, tirada pelo Telescópio Espacial Hubble, da Nasa/ESA, em 4 de julho de 2020. Na ocasião, o gigante gasoso estava a cerca de 1,35 bilhão de quilômetros da Terra. Esta imagem foi obtida durante o verão no hemisfério norte de Saturno.

O Hubble encontrou várias pequenas tempestades atmosféricas. Essas são características transitórias que parecem ir e vir a cada observação anual do telescópio espacial. As faixas no hemisfério norte permanecem pronunciadas, como visto nas observações do Hubble em 2019, com diversas bandas mudando ligeiramente de cor de ano para ano. A atmosfera do planeta é composta principalmente de hidrogênio e hélio. Há também traços de amônia, metano, vapor d’água e hidrocarbonetos que lhe conferem uma cor marrom-amarelada.

O Hubble fotografou uma leve neblina avermelhada sobre o hemisfério norte nesta imagem. Isso pode ser devido ao aquecimento causado pelo aumento da luz solar, o que pode alterar a circulação atmosférica ou talvez remover gelo dos aerossóis na atmosfera. Outra teoria é que o aumento da luz solar nos meses de verão está alterando a quantidade de névoa fotoquímica produzida.

LEIA TAMBÉM: Cassini prepara-se para mergulhar na atmosfera de Saturno

“É incrível que, ao longo de alguns anos, estamos vendo mudanças sazonais em Saturno”, disse a pesquisadora Amy Simon, do Centro de Voos Espaciais Goddard, da Nasa. Por outro lado, o polo sul, agora visível, tem uma tonalidade azul, refletindo mudanças no hemisfério de Saturno que vive o inverno.

Mistério mantido

A visão nítida do Hubble soluciona a estrutura do anel concêntrico finamente estampado na foto. Os anéis são feitos principalmente de pedaços de gelo, com tamanhos variando de grãos minúsculos a rochas gigantes. Apenas como e quando os anéis se formaram continua a ser um dos maiores mistérios do Sistema Solar. A sabedoria convencional é que eles são tão antigos quanto o planeta – mais de 4 bilhões de anos. Mas como os anéis são tão brilhantes – como a neve recém-caída –, uma teoria diferente é que eles podem ter se formado durante a era dos dinossauros.

Muitos astrônomos concordam que não há uma teoria satisfatória que explique como os anéis poderiam ter se formado nos últimos 100 milhões de anos. “No entanto, as medições da sonda Cassini, da Nasa, de pequenos grãos chovendo na atmosfera de Saturno sugerem que os anéis podem durar apenas 300 milhões de anos a mais, o que é um dos argumentos para uma idade jovem do sistema de anéis”, disse Michael Wong, da Universidade da Califórnia em Berkeley.

Duas das luas geladas de Saturno são claramente visíveis nesta imagem: Mimas, à direita, e Encélado, na parte inferior.

Esta imagem é tirada como parte do projeto Legado das Atmosferas dos Planetas Externos (Opal, na sigla em inglês). O Opal está ajudando os cientistas a entender a dinâmica atmosférica e a evolução dos planetas gigantes gasosos do Sistema Solar. No caso de Saturno, os astrônomos continuam rastreando os padrões climáticos e as tempestades.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança