• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia25/02/2022

Hubble mostra ‘triângulo espacial’ gerado por colisão de galáxias

Arp 143: formato triangular é incomum. Crédito: Nasa, ESA, STScI e J. Dalcanton (Center for Computational Astrophysics/Flatiron Inst., UWashington)

25/02/22 - 09h30min

Uma espetacular colisão frontal entre duas galáxias, conhecida como Arp 143, alimentou um incomum frenesi de formação de estrelas em forma triangular, conforme capturado pelo Telescópio Espacial Hubble, da Nasa/ESA.

A dupla de galáxias interativas Arp 143 contém a galáxia espiral distorcida e formadora de estrelas NGC 2445, à direita, junto com sua companheira menos chamativa, NGC 2444, à esquerda. Sua colisão frenética ocorre contra a tapeçaria de galáxias distantes, algumas das quais podem ser vistas através do par em interação.

Os astrônomos sugerem que as duas galáxias passaram uma pela outra, iniciando a tempestade de formação de estrelas na NGC 2445, onde milhares de estrelas estão ganhando vida. Essa galáxia está repleta de novas estrelas porque é rica em gás, a matéria-prima da qual as estrelas são feitas. No entanto, ainda não escapou das garras gravitacionais de seu parceiro à esquerda. A dupla está travando um cabo de guerra cósmico, que a NGC 2444 parece estar vencendo. Essa galáxia extraiu gás da NGC 2445, formando o triângulo excêntrico de estrelas recém-criadas.

Deixadas para trás

A NGC 2444 também é responsável por arrancar fios de gás de sua parceira, alimentando as serpentinas de estrelas jovens e azuis que parecem formar uma ponte entre as duas galáxias. Esses fios estão entre os primeiros no que parece ser uma onda de formação de estrelas que começou nos arredores da galáxia e continuou para dentro. Os pesquisadores estimam que as estrelas nos fios nasceram entre 50 milhões e 100 milhões de anos atrás. Mas essas jovens estrelas estão sendo deixadas para trás enquanto a NGC 2445 continua a se afastar lentamente da NGC 2444.

Estrelas com não mais de um milhão a dois milhões de anos estão se formando mais perto do centro da NGC 2445. A visão aguçada do Hubble revela algumas estrelas individuais, as mais brilhantes e massivas da galáxia. A maioria dos aglomerados azuis brilhantes são agrupamentos de estrelas e as bolhas rosa são nuvens de gás brilhantes que envolvem aglomerados de estrelas jovens e massivas.

Embora a maior parte da ação esteja acontecendo na NGC 2445, isso não significa que o outro membro do par de interação escapou ileso. A disputa gravitacional esticou a NGC 2444 em uma forma estranha, puxando o gás para longe da galáxia. A NGC 2444 contém estrelas antigas e nenhum novo nascimento estelar porque perdeu seu gás há muito tempo, bem antes desse encontro galáctico.

Além da formação estelar na NGC 2445, outra característica interessante que o Hubble descobriu são os filamentos escuros de gás no núcleo brilhante da galáxia starburst. Essas feições podem ter sido formadas por explosões de material. Observações de rádio revelam uma fonte poderosa no núcleo que pode estar liderando as explosões. A fonte de rádio pode ter sido produzida por intensa formação de estrelas ou por um buraco negro engolindo material que flui para o centro.

Visão infravermelha

Não é incomum que a formação de estrelas ocorra nos núcleos das galáxias, impulsionada por interações. Muito gás dos encontros galácticos flui para o centro, o que pode desencadear o nascimento de novas estrelas. Os fluxos dessas estrelas podem expulsar material, mas a poeira criada por essas explosões cobre o núcleo e outras regiões ao longo da NGC 2445, dificultando o estudo do Hubble em luz visível.

No entanto, o Telescópio Espacial James Webb, da Nasa/ESA/CSA, terá a visão infravermelha capaz de observar através da poeira que cobre essas regiões para revelar os jovens aglomerados de estrelas que estão escondidos da vista em imagens de luz visível. Dessa forma, o Hubble e o Webb fornecerão o censo completo de estrelas na NGC 2445. O censo ajudará os astrônomos a responder a perguntas como qual é a taxa de formação de estrelas, quanto tempo leva para as estrelas se formarem e se a explosão de estrelas na NGC 2445 está desaparecendo ou apenas esquentando.

Estudar aglomerados de estrelas jovens e massivas ainda embutidas em seus casulos de poeira e gás é importante para entender como a formação de estrelas afeta a evolução das galáxias. Estrelas massivas que explodem como supernovas enriquecem seu ambiente com elementos químicos mais pesados ​​que hidrogênio e hélio.

O sistema Arp 143 está listado em um compêndio de 338 galáxias interativas de aparência incomum chamado Atlas de Galáxias Peculiares, publicado em 1966 pelo astrônomo Halton Arp.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Arp 143