Hubble mostra uma encantadora galáxia espiral

Com múltiplos anéis, a galáxia NGC 691 é a principal de um grupo galáctico que leva seu nome, e seu diâmetro alcançaria 130 mil anos-luz

A galáxia espiral NGC 691: imagem deslumbrante no céu. Crédito: ESA/Hubble e Nasa, A. Riess et al. Agradecimento: M. Zamani

Esta imagem do telescópio espacial Hubble, da Nasa/ESA, mostra a galáxia espiral NGC 691 em todo o seu esplendor. Trata-se de mais uma das tantas galáxias descobertas pelo astrônomo William Herschel no século 18. Ela está situada na constelação de Áries, a cerca de 120 milhões de anos-luz da Terra. Dadas suas dimensões aparentes, ela teria 130 mil anos-luz de diâmetro.

A NGC 691 é o principal membro de um grupo de galáxias ligadas gravitacionalmente conhecido como grupo NGC 691. Ela apresenta uma estrutura de múltiplos anéis, e teve um evento de supernova registrado em 2005.

A galáxia aparece aqui fotografada com detalhes fantásticos pela Wide Field Camera 3 (WFC3) do Hubble. O telescópio espacial observa objetos como esse usando uma variedade de filtros. Cada filtro permite apenas que certos comprimentos de onda de luz alcancem a WFC3.

As imagens coletadas usando diferentes filtros são coloridas por artistas visuais especializados que podem fazer escolhas sobre a cor que melhor corresponde a qual filtro. Ao combinarem as imagens coloridas de filtros individuais, uma imagem colorida do objeto astronômico pode ser recriada. Dessa forma, podemos obter uma visão extraordinariamente boa da natureza e da aparência desses objetos.

Crédito do vídeo: Nasa/ESA

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África