Hubble mostra uma galáxia absolutamente incomum

Além de conter espirais dentro de uma espiral, a NGC 2273 possui um buraco negro em seu centro tão supermassivo que brilha o suficiente para ofuscar uma galáxia como a Via Láctea

NGC 2273: um anel interno e dois "pseudoanéis" externos. Crédito: ESA/Hubble & Nasa, J. Greene

À primeira vista, o assunto da imagem acima, obtida pelo Telescópio Espacial Hubble, da Nasa/ESA, parece ser uma galáxia espiral simples. Ela tem dois braços giratórios emergindo de uma barra central de estrelas e material que atravessa o centro galáctico. De fato, também existem anéis dentro desses braços espirais: espirais dentro de uma espiral.

Esse tipo de morfologia é conhecido como estrutura multirresistente. Como essa descrição sugere, essa galáxia, chamada NGC 2273, localizada na direção da constelação de Lynx, hospeda um anel interno e dois “pseudoanéis” externos.

Ter tantos anéis distintos é raro e torna a NGC 2273 incomum. Os anéis são criados quando os braços espirais de uma galáxia parecem girar para se aproximar, combinados com um truque de perspectiva cósmica. Os dois pseudo-ordenamentos da NGC 2273 são formados por dois conjuntos de braços em espiral que se agitam, e o anel interno, por duas estruturas em arco próximas ao centro galáctico, que parecem se conectar de maneira semelhante.

LEIA TAMBÉM: Hubble investiga uma galáxia espiral especialíssima

Esses anéis não são a única característica única dessa galáxia. A NGC 2273 também é uma galáxia Seyfert, uma galáxia com um núcleo extremamente luminoso. De fato, o centro de uma galáxia como essa é alimentado por um buraco negro supermassivo e pode brilhar o suficiente para ofuscar uma galáxia inteira como a Via Láctea.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança