Hubble mostra uma galáxia brilhante e incomum

Resultado de uma fusão galáctica, a NGC 1614 é a segunda galáxia mais luminosa dos céus em 250 milhões de anos-luz

Galáxia NGC 1614: passado turbulento. Crédito: ESA/Hubble & Nasa, A. Adamo

A galáxia NGC 1614, capturada aqui pelo telescópio espacial Hubble, da Nasa/ESA, é uma ativa galáxia brilhante de forma excêntrica. Ela está a cerca de 200 milhões de anos-luz da Terra, na constelação austral de Eridanus (O Rio).

A NGC 1614 é a consequência de uma fusão galáctica passada que criou sua aparência peculiar. A colisão cósmica também levou a um fluxo turbulento de gás interestelar da menor das duas galáxias envolvidas para o núcleo da maior. O resultado foi uma explosão de formação de estrelas que começou no núcleo e lentamente se espalhou pela galáxia.

Devido ao seu passado turbulento e sua aparência atual, os astrônomos classificam a NGC 1614 como uma galáxia peculiar, uma galáxia starburst (que atravessa um processo intenso e contínuo de formação estelar) e uma galáxia infravermelha luminosa.

LEIA TAMBÉM: Hubble analisa a borda da galáxia do Sombreiro e seu misterioso passado

As galáxias infravermelhas luminosas estão entre os objetos mais luminosos do universo local. A NGC 1614 é, de fato, a segunda galáxia mais luminosa em 250 milhões de anos-luz.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança