Humanos demonstram resiliência ante mudança climática

Novo estudo, que aborda eventos ocorridos há milênios no sudeste da Turquia, mostra sinais de uma sociedade que até prosperou com as transformações do clima

Imagem microscópica de galho de carvalho da Idade do Ferro de Tell Tayinat, Turquia. Crédito: Brita Lorentzen

Um exame de dois períodos documentados de mudança climática no Oriente Médio, entre aproximadamente 4.500 e 3.000 anos atrás, revela evidências locais de resiliência e até mesmo de uma sociedade antiga próspera, apesar das mudanças no clima vistas na região. O trabalho foi publicado na revista “PLOS One”.

Liderado por arqueólogos da Universidade Cornell (EUA) e da Universidade de Toronto (Canadá) que trabalham em Tell Tayinat, no sudeste da Turquia, o estudo demonstra que as respostas humanas às mudanças climáticas são variáveis ​​e devem ser examinadas usando dados extensos e precisos coletados em nível local. O trabalho destaca como o desafio e o colapso em algumas áreas foram acompanhados por resiliência e oportunidades em outros lugares.

As descobertas são contribuições bem-vindas às discussões sobre as respostas humanas às mudanças climáticas. Elas ampliam uma estrutura cronológica esparsa para a parte norte da região conhecida historicamente como Levante. Esse território se estende por toda a extensão da borda leste do Mar Mediterrâneo.

LEIA TAMBÉM: Cientistas vinculam fim do Saara Verde a megasseca no sudeste da Ásia

Reconfiguração local

“O estudo mostra que o fim da ocupação do início da Idade do Bronze em Tayinat foi um caso longo e demorado. Embora ele pareça coincidir com o início de uma megasseca 4.200 anos atrás, foi na verdade o culminar de processos que começaram muito antes”, diz Tim Harrison, professor e presidente do Departamento de Civilizações do Oriente Próximo e do Oriente Médio na Faculdade de Artes e Ciências da Universidade de Toronto e diretor do Projeto Arqueológico Tayinat. “As evidências arqueológicas não apontam para efeitos locais significativos do episódio climático, pois não há evidências de estresse hídrico nas lavouras.”

“Em vez disso, essas mudanças foram mais provavelmente o resultado da reconfiguração política e espacial local.”

Vista da escavação do início da Idade do Bronze (Campo 1) em Tell Tayinat, Turquia. Crédito: Projeto Arqueológico Tayinat

O período da Idade do Bronze entre 3000 a.C. e 2000 a.C. e a Idade do Bronze final (1600-1200 a.C.) no antigo Oriente Médio são épocas cruciais de interconexão inicial entre assentamentos em toda a região. Nesses tempos houve o desenvolvimento de algumas das primeiras cidades e sociedades de nível estatal. Mas esses sistemas nem sempre foram sustentáveis. Ambos os períodos terminaram em colapso de civilizações/assentamentos, cujas razões são altamente debatidas.

A ausência de cronogramas detalhados para atividades sociais em toda a região deixa uma lacuna significativa na compreensão das associações entre mudança climática e respostas sociais. Embora a desintegração dos sistemas políticos ou econômicos seja de fato componente de uma resposta da sociedade, o colapso raramente é total.

Cronograma robusto

Usando datação por radiocarbono e análise de amostras arqueológicas da Idade do Ferro recuperadas de um local ocupado após dois episódios de mudança climática particularmente notáveis ​​4.200 e novamente 3.200 anos atrás, os pesquisadores estabeleceram um cronograma cronológico robusto para Tayinat em relação a esses dois períodos cruciais da história do antigo Oriente Médio.

“A datação absoluta desses períodos tem sido um assunto de debate considerável por muitos anos, e este estudo contribui com um novo conjunto de dados significativo que ajuda a resolver muitas das questões”, diz Sturt Manning, professor de Arqueologia Clássica na Universidade Cornell e principal autor do estudo.

“A resolução cronológica detalhada alcançada neste estudo permite uma interpretação mais substantiva das evidências arqueológicas em termos de respostas locais e regionais às mudanças climáticas propostas. Isso lança luz sobre como os humanos respondem ao estresse ambiental e à variabilidade.”

Segundo os pesquisadores, a estrutura cronológica para o início da Idade do Ferro demonstra o próspero reassentamento de Tayinat após o evento de 3.200 anos atrás, durante um período de elevada aridez.

“O assentamento de Tayinat pode ter sido realizado para maximizar o acesso à terra arável. As evidências de safras revelam o cultivo contínuo de várias safras que demandam água, revelando uma resposta que contraria o quadro de uma região atingida pela seca”, disse Harrison. “A Idade do Ferro em Tayinat representa um grau significativo de resiliência social durante um período de estresse climático.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança