Humanos e dinossauros juntos? Confira no Museu da Criação

Nesse museu criacionista, dinossauros viveram ao lado de humanos e o mundo tem 6 mil anos

Crianças brincam perto de dinossauros dóceis no Museu da Criação, em Petersburg. Crédito: Acdixon/Wikimedia

As viagens de verão nos Estados Unidos diminuíram, mas não pararam devido à pandemia do coronavírus. Entre os destinos reabertos está (desde 8 de junho) o Museu da Criação, um museu dedicado a divulgar a história bíblica do Livro de Gênesis como fato histórico e científico.

Mais do que isso, o Museu da Criação oferece uma janela para as ideias e o funcionamento da direita religiosa americana.

Adão, Eva e os dinossauros

Os cristãos evangélicos constituem aproximadamente 25% da população dos Estados Unidos. A maioria deles acha que a Bíblia deve ser lida literalmente e que a evolução é falsa.

LEIA TAMBÉM: Uma releitura da Bíblia

O Museu da Criação, sobre o qual escrevemos um livro em 2016, promove uma versão muito específica dessa crença. Ela afirma que Deus fez o universo em seis dias de 24 horas há cerca de 6 mil anos.

Os primeiros quatro capítulos do Livro de Gênesis contam a história de Adão e Eva, que foram criados no sexto dia e receberam duas funções: obedecer a Deus e povoar a Terra. Quando eles desobedeceram a Deus e comeram o fruto da árvore do conhecimento, foram banidos do Jardim do Éden e se tornaram mortais.

Adão e Eva se saíram melhor em sua segunda designação, no entanto. Eva deu à luz dois filhos, Caim e Abel, e, de acordo com o Museu da Criação, uma filha que mais tarde se tornou esposa de Caim.

Cena do Jardim do Éden reproduzida no museu. Crédito: David Berkowitz/Flickr/Wikimedia

De acordo com o Gênesis, os humanos posteriormente se tornaram perversos e violentos. Em resposta, Deus enviou um dilúvio global que afogou a todos no planeta. O Museu da Criação diz que os mortos estão na casa dos bilhões.

Apenas o justo Noé e sua família foram salvos. Eles, junto com alguns animais – incluindo, de acordo com o Museu da Criação, dinossauros – foram alojados com segurança na arca que Deus ordenou a Noé construir.

Desde a sua inauguração em 2007, o Museu da Criação contou esta história – com uma abundância de exibições de dinossauros e dioramas em tamanho real do idílico Jardim do Éden – para mais de 4 milhões de visitantes.

Inerrância bíblica

O criacionismo é um princípio central do fundamentalismo protestante. Esse movimento evangélico americano tem suas raízes no final do século 19, exatamente quando a evolução darwiniana estava minando a história do Gênesis.

Na mesma época, os estudiosos também estavam fazendo perguntas substantivas sobre quem realmente escreveu os 66 livros da Bíblia. Eles notaram algumas de suas aparentes inconsistências e erros e observaram que algumas de suas histórias – incluindo a do dilúvio gigante – pareciam emprestadas de outras culturas.

Alguns teólogos evangélicos conservadores, horrorizados com o enfraquecimento da autoridade bíblica, responderam criando a noção de inerrância bíblica. Nessa visão, a Bíblia é imune a erros, claramente escrita e factualmente precisa – incluindo quando se trata de história e ciência.

O movimento fundamentalista surgiu em 1919, defendendo a inerrância bíblica e o criacionismo. Eles, no entanto, aceitaram as afirmações dos geólogos de que a Terra tinha milhões ou bilhões de anos, com base em suas muitas camadas de rocha.

Assim, os fundamentalistas entenderam os seis “dias” da criação de Deus como se referindo não a dias de 24 horas, mas a eras de duração indeterminada.

Isso representou um problema para a inerrância bíblica. Se a Bíblia é mais bem entendida literalmente, como um “dia” pode ser uma era?

Área dedicada ao episódio da Arca de Noé. Crédito: Max Pìxel
Recriando a Terra

Em 1961, o estudioso da Bíblia John Whitcomb Jr. e o engenheiro Henry Morris vieram ao resgate com seu livro The Genesis Flood. Tomando emprestado muito do adventista do sétimo dia George McCready Price – que passou décadas defendendo a crença de sua própria fé de que Deus criou a Terra em seis dias –, Morris e Whitcomb argumentaram que foi o dilúvio de Noé que criou as camadas da Terra.

Nessa teoria, os estratos geológicos do planeta apenas dão a impressão de que a Terra é antiga. Na verdade, diz ela, essas camadas foram criadas há 6 mil anos por um dilúvio global que durou um ano.

O criacionismo da jovem Terra se espalhou pelo fundamentalismo americano com velocidade surpreendente no final do século 20. Entre as muitas organizações cristãs estabelecidas para promover essas ideias está a Answers in Genesis (Respostas no Gênesis, em tradução literal), ou AiG. Fundada em 1994 em Petersburg, no estado de Kentucky, a AiG é um jovem rolo compressor criacionista. Ela produz uma enxurrada de livros, vídeos, revistas, currículos escolares e outros materiais impressos e digitais a cada ano.

Como documentamos em nosso livro, a AiG também está fortemente investida na política de direita evangélica branca que em 2016 ajudou a garantir a presidência de Donald Trump.

O Museu da Criação, de quase 7 mil metros quadrados, localizado próximo ao escritório principal da AiG e na mesma rua de sua réplica gigante da Arca de Noé, é a joia dos ativos de cerca de US$ 50 milhões da AiG.

Esqueleto de alossauro exposto no museu: animal morto durante o Dilúvio. Crédito: Acdixon/Wikimedia
Ciência criacionista

Embora a administração Trump zombe da ciência e dos cientistas, o presidente-executivo da AiG, Ken Ham, afirma ser um fã.

Em um debate de 2014 com Bill Nye, popularmente conhecido como “o cara da ciência”, que foi visto quase 8 milhões de vezes no YouTube, Ham disse a palavra “ciência” 105 vezes – duas vezes mais que Nye. “Eu amo a ciência!”, insistia Ham.

Mas a corrente principal da ciência contemporânea é definida pelo uso do método científico, no qual os cientistas formulam uma hipótese, conduzem experimentos para testar essa hipótese e então a confirmam ou negam.

Em contraste, os criacionistas começam com uma conclusão: que o universo tem 6 mil anos. Então, procuram evidências para confirmá-la. Fatos contraditórios, como datação radiométrica, que mostra que a Terra tem 4,5 bilhões de anos, são rejeitados.

A apresentação do Museu da Criação de um esqueleto impressionante de um alossauro, doado pelo neo-confederado Michael Peroutka, é um bom exemplo da “ciência” da criação.

Morte no Dilúvio

Essa exposição explica com detalhes científicos excelentes e aparentemente precisos que o crânio do alossauro tem 86 centímetros de comprimento, 56 centímetros de altura e 53 dentes com cerca de 11,5 centímetros de comprimento, se você incluir as raízes.

Em seguida, afirma que esse alossauro morreu no Dilúvio de Noé. Aqueles que vasculham os cartazes em busca de evidências empíricas de que os dinossauros escalaram o topo de uma colina para escapar da subida das águas não conseguirão encontrá-las.

Geólogos e biólogos tradicionais provavelmente acharão o Museu da Criação mais frustrante do que educacional. Mas para aqueles que desejam compreender melhor as divisões da sociedade americana moderna, o museu é esclarecedor. Ele ilumina a visão de mundo mantida por um segmento da população dos EUA com recursos econômicos e conexões políticas significativas nos escalões mais altos do poder.

 

Esta história foi atualizada para refletir com mais precisão a ferramenta científica usada para determinar a idade da Terra.

 

* William Trollinger é professor de História da Universidade de Dayton (EUA); Susan L. Trollinger é professora de Inglês da Universidade de Dayton.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança