Humanos foram predadores de ponta por 2 milhões de anos

O que nossos ancestrais comiam durante a Idade da Pedra? Principalmente carne. A mudança na dieta só veio com a extinção de animais da megafauna, afirmam cientistas

Concepção artística de humanos na Idade da Pedra: alimentação carnívora. Crédito: Viktor Mikhailovich Vasnetsov (1848–1926)/ http://www.picture.art-catalog.ru/picture.php?id_picture=3316/Wikimedia Commons

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv (Israel) conseguiram reconstruir a nutrição de humanos da Idade da Pedra. Num artigo publicado na revista “Yearbook of the American Physical Anthropology Association”, o dr. Miki Ben-Dor e o prof. Ran Barkai, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Tel Aviv, juntamente com Raphael Sirtoli, da Universidade do Minho (Portugal), mostram que os humanos foram predadores de ponta por cerca de 2 milhões de anos. Apenas a extinção de animais maiores (megafauna) em várias partes do mundo e o declínio das fontes de alimentos de origem animal no final da Idade da Pedra levaram os humanos a aumentar gradualmente o elemento vegetal em sua nutrição. Por fim, os humanos não tiveram escolha a não ser domesticar plantas e animais – e se tornar fazendeiros.

“Até agora, as tentativas de reconstruir a dieta dos humanos da Idade da Pedra baseavam-se principalmente em comparações com sociedades de caçadores-coletores do século 20”, explica Ben-Dor. “Essa comparação é fútil, contudo, porque há 2 milhões de anos as sociedades de caçadores-coletores podiam caçar e consumir elefantes e outros animais de grande porte. Já os caçadores-coletores de hoje não têm acesso a tal generosidade. Todo o ecossistema mudou e as condições não podem ser comparadas. Decidimos usar outros métodos para reconstruir a dieta dos humanos da Idade da Pedra. Examinamos a memória preservada em nossos próprios corpos, nosso metabolismo, genética e constituição física. O comportamento humano muda rapidamente, mas a evolução é lenta. O corpo lembra.”

Carnívoros ou onívoros?

Ben-Dor e seus colegas coletaram cerca de 25 linhas de evidências de cerca de 400 artigos científicos de diferentes disciplinas científicas lidando com a questão focal: os humanos da Idade da Pedra eram carnívoros especializados ou onívoros generalistas ? A maioria das evidências foi encontrada em pesquisas sobre biologia atual, ou seja, genética, metabolismo, fisiologia e morfologia.

“Um exemplo importante é a acidez do estômago humano”, diz Ben-Dor. “A acidez em nosso estômago é alta quando comparada com onívoros e até mesmo com outros predadores. Produzir e manter uma acidez forte requer grande quantidade de energia e sua existência é uma evidência para o consumo de produtos de origem animal. A acidez forte fornece proteção contra bactérias nocivas encontradas na carne, e humanos pré-históricos, caçando animais grandes cuja carne bastava por dias ou até semanas, muitas vezes consumiam carne velha contendo grandes quantidades de bactérias e, portanto, precisavam manter um alto nível de acidez”.

Ele prossegue: “Outra indicação de sermos predadores é a estrutura das células de gordura em nossos corpos. Nos corpos dos onívoros, a gordura é armazenada em um número relativamente pequeno de grandes células de gordura, enquanto nos predadores, incluindo humanos, ocorre o contrário: temos um número muito maior de células de gordura menores. Evidências significativas para a evolução dos humanos como predadores também foram encontradas em nosso genoma. Por exemplo, os geneticistas concluíram que ‘áreas do genoma humano foram fechadas para permitir uma dieta rica em gordura, enquanto nos chimpanzés, áreas do genoma foram abertas para permitir uma dieta rica em açúcar’”.

Evidências arqueológicas

As evidências da biologia humana foram complementadas por evidências arqueológicas. Por exemplo, pesquisas sobre isótopos estáveis ​​em ossos de humanos pré-históricos, bem como práticas de caça exclusivas aos humanos, mostram que os humanos se especializaram em caçar animais de grande e médio porte com alto teor de gordura. A comparação entre humanos e grandes predadores sociais de hoje, que caçam animais de grande porte e obtêm mais de 70% de sua energia de fontes animais, reforçou a conclusão de que os humanos se especializaram na caça de grandes animais e eram, na verdade, hipercarnívoros.

“Caçar animais de grande porte não é um hobby à tarde”, diz Ben-Dor. “Exige muito conhecimento, e leões e hienas atingem essas habilidades após longos anos de aprendizado. Claramente, os restos de animais grandes encontrados em incontáveis ​​sítios arqueológicos são o resultado da alta experiência dos humanos como caçadores de animais grandes. Muitos pesquisadores que estudam a extinção de animais grandes concordam que a caça por humanos desempenhou um papel importante nessa extinção – e não há melhor prova da especialização dos humanos em caçar animais de grande porte. Muito provavelmente, como nos predadores atuais, a própria caça foi uma atividade humana focal durante a maior parte da evolução humana.”

A reconstrução multidisciplinar conduzida por pesquisadores da Universidade de Tel Aviv por quase uma década propõe uma mudança completa de paradigma na compreensão da evolução humana. Ao contrário da hipótese generalizada de que os humanos devem sua evolução e sobrevivência à flexibilidade alimentar, que lhes permitiu combinar a caça de animais com alimentos vegetais, a imagem que surge aqui é de humanos evoluindo principalmente como predadores de grandes animais.

Diversidade alimentar

“Evidências arqueológicas não esquecem o fato de que os humanos da Idade da Pedra também consumiam plantas”, acrescenta Ben-Dor. “Mas, de acordo com as descobertas deste estudo, as plantas se tornaram um componente importante da dieta humana apenas no final da era.”

Evidências de mudanças genéticas e o aparecimento de ferramentas de pedra exclusivas para processamento de plantas levaram os pesquisadores a concluir que, a partir de cerca de 85 mil anos atrás na África e cerca de 40 mil anos atrás na Europa e na Ásia, ocorreu um aumento gradual no consumo de alimentos vegetais como bem como na diversidade alimentar – de acordo com as diferentes condições ecológicas. Esse aumento foi acompanhado por um aumento na singularidade local da cultura das ferramentas de pedra, semelhante à diversidade das culturas materiais nas sociedades de caçadores-coletores do século 20.

Em contraste, durante os 2 milhões de anos em que, de acordo com os pesquisadores, os humanos eram predadores de ponta, longos períodos de semelhança e continuidade foram observados em ferramentas de pedra, independentemente das condições ecológicas locais.

Controvérsia atual

“Nosso estudo aborda uma grande controvérsia atual – tanto científica quanto não científica”, diz Ran Barkai. “Para muitas pessoas hoje, a dieta paleolítica é uma questão crítica, não apenas em relação ao passado, mas também em relação ao presente e ao futuro. É difícil convencer um vegetariano devoto de que seus ancestrais não eram vegetarianos, e as pessoas tendem a confundir crenças pessoais com realidade científica.”

Ele continua: “Nosso estudo é multidisciplinar e interdisciplinar. Propomos um quadro sem precedentes em sua abrangência e amplitude, que mostra claramente que os humanos eram inicialmente predadores de topo, especializados na caça de grandes animais. Como Darwin descobriu, a adaptação das espécies para obter e digerir seus alimentos é a principal fonte de mudanças evolutivas. Portanto, a alegação de que os humanos foram predadores de ponta durante a maior parte de seu desenvolvimento pode fornecer uma ampla base para percepções fundamentais sobre a evolução biológica e cultural de humanos.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança