• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia17/12/2021

Humanos ocuparam ilhas remotas do Atlântico bem antes do que se sabia

O leito desse lago na ilha de Eysturoy (Ilhas Faroé) contém uma camada de sedimentos depositada por volta de 500 d.C. que documenta a primeira chegada de ovelhas, e portanto de humanos, ao arquipélago. Crédito: Raymond Bradley/UMass Amherst

17/12/21 - 09h56min - Atualizado em 17/12/21 - 09h57min

Novas evidências do fundo de um lago nas remotas Ilhas Faroé, no Atlântico Norte, indicam que um grupo desconhecido de humanos se estabeleceu ali por volta de 500 d.C. – cerca de 350 anos antes de os vikings, que até recentemente se acreditava terem sido os primeiros habitantes humanos daquelas terras. Os colonos podem ter sido celtas que cruzaram mares violentos e inexplorados do que hoje são a Escócia ou a Irlanda. Os resultados aparecem na revista Communications Earth & Environment.

As Ilhas Faroé são um arquipélago pequeno e acidentado a meio caminho entre a Noruega e a Islândia, cerca de 320 quilômetros a noroeste da Escócia. Penhascos elevados dominam as costas; fustigada por fortes ventos e tempo nublado, a paisagem rochosa é principalmente de tundra. Não há evidências de que um povo nativo tenha vivido ali. Essa foi uma das poucas terras do planeta que permaneceram desabitadas até os tempos históricos.

Escavações arqueológicas anteriores indicaram que navegantes vikings alcançaram aquelas terras pela primeira vez por volta de 850 d.C., logo após desenvolverem a tecnologia de navegação de longa distância. O assentamento pode ter formado um trampolim para o assentamento viking da Islândia em 874, e sua colonização de curta duração da Groenlândia, por volta de 980.

Sinais de ovelhas

O novo estudo, liderado por cientistas do Observatório Terrestre Lamont-Doherty da Universidade de Columbia (EUA), é baseado em sedimentos de lagos contendo sinais de que ovelhas domésticas apareceram repentinamente por volta de 500 d.C., bem antes da ocupação nórdica. Anteriormente, as ilhas não hospedavam quaisquer mamíferos, domésticos ou não; as ovelhas só poderiam ter chegado com pessoas. O estudo não é o primeiro a afirmar que outras pessoas chegaram lá antes, mas os pesquisadores dizem que ele conclui o caso.

Na década de 1980, pesquisadores determinaram que plantago lanceolata, uma erva daninha comumente associada a áreas degradadas e pastagens e frequentemente usada como um indicador da presença humana precoce na Europa, apareceu nas Ilhas Faroé por volta de 2200 a.C. Na época, isso foi considerado uma possível evidência de chegada humana. No entanto, as sementes podem ter chegado com o vento, e a planta não precisa da presença humana para se estabelecer. Da mesma forma, estudos de pólen retirados de leitos de lagos e pântanos mostram que algum tempo antes do período nórdico, a vegetação lenhosa praticamente desapareceu – possivelmente devido à mastigação persistente por ovelhas, mas também possivelmente devido a mudanças climáticas naturais.

Alguns textos medievais sugerem que monges irlandeses chegaram às ilhas por volta de 500. Por um lado, São Brandão, um famoso e viajado navegador irlandês, teria cruzado o Atlântico com colegas de 512 a 530 e supostamente encontrado uma terra apelidada de Ilha dos Abençoados. Especulações e mapas posteriores dizem que foram as Ilhas Faroé – ou os Açores, no extremo sul, ou as Ilhas Canárias –, ou que São Brandão realmente alcançou a América do Norte. Não há prova de nada disso.

Ovelhas faroenses têm sido um elemento básico da cultura local por séculos e são encontradas em quase todos os lugares das ilhas. Crédito: William D’Andrea/Observatório Terrestre Lamont-Doherty

Manchas de turfa

Séculos depois, em 825, o monge e geógrafo irlandês Dicuil escreveu que soube que eremitas viveram em algumas ilhas não identificadas do norte por pelo menos 100 anos. Mais uma vez, as especulações posteriores pousaram nas Ilhas Faroé, mas nunca houve qualquer prova.

A primeira evidência física de ocupação precoce veio com um estudo de 2013 na revista Quaternary Science Reviews, que documentou duas manchas de turfa queimada contendo grãos de cevada carbonizados encontrados sob o chão de uma maloca viking na ilha faroense de Sandoy. Os pesquisadores dataram os grãos em algo entre 300 e 500 anos antes dos nórdicos. Como a cevada não havia sido encontrada anteriormente na ilha, então alguém deve tê-la trazido. Para muitos arqueólogos, isso constituiu uma evidência sólida de habitação pré-viking. No entanto, outros queriam ver algum tipo de corroboração antes de declarar o caso encerrado.

Os pesquisadores do novo estudo empregaram uma abordagem não arqueológica. Em uma pequena embarcação, eles navegaram até um lago próximo ao vilarejo de Eiði, local de um antigo local viking na ilha de Eysturoy. Ali, eles jogaram tubos pesados ​​abertos no fundo para coletar sujeira – os sedimentos caíram ano a ano e se acumularam ao longo de milênios, formando um registro ambiental de longo prazo. Os núcleos penetraram cerca de 2,7 metros, registrando cerca de 10 mil anos de história ambiental. Os cientistas começaram na esperança de entender melhor o clima na época da ocupação viking, mas tiveram uma surpresa.

Começando a 51 centímetros abaixo nos sedimentos, eles encontraram sinais de que um grande número de ovelhas havia chegado de repente, provavelmente em algum momento entre 492 e 512, mas possivelmente já em 370. Os sinais reveladores: fragmentos identificáveis ​​de DNA de ovelha e dois tipos distintos de lipídios produzidos no sistema digestivo das ovelhas – os chamados biomarcadores fecais. (Os pesquisadores também encontraram pedaços de DNA humano nas mesmas camadas, mas suspeitam de contaminação moderna durante o manuseio das amostras.) Uma camada de cinzas depositada de uma erupção de um vulcão islandês conhecido em 877 ajudou a datar de forma confiável as sequências de sedimentos abaixo.

Os pesquisadores William D’Andrea (à esquerda) e Gregory de Carga com núcleos de sedimentos retirados do leito do lago. Crédito: Nicholas Balascio/The College of William & Mary

Botão liga/desliga

“Vemos isso como colocar o prego no caixão de que pessoas estiveram lá antes dos vikings”, disse a autora principal Lorelei Curtin, que fez a pesquisa como estudante de graduação no Lamont-Doherty. Ela observou que, embora as Faroé pareçam rústicas e selvagens hoje, praticamente cada centímetro quadrado de vegetação foi mastigado por ovelhas faroenses, um alimento básico da dieta das Ilhas Faroé, encontrado em quase todos os lugares.

Além da descoberta anterior de grãos de cevada, ninguém ainda encontrou vestígios físicos de povos pré-nórdicos, mas os pesquisadores dizem que isso não é surpreendente. As Ilhas Faroé contêm muito poucos locais adequados para ocupação, principalmente áreas planas nas cabeceiras de baías protegidas onde os nórdicos teriam construído sobre habitações anteriores. Por outro lado, “você vê o DNA da ovelha e os biomarcadores começarem ao mesmo tempo. É como um botão liga/desliga”, disse o paleoclimatologista William D’Andrea, do Lamont-Doherty, que coliderou o estudo. Ele ressalta que os marcadores correspondem bem aos relatos dos monges irlandeses. Mas, ele disse, “Esses primeiros escritos são tênues – são todos circunstanciais.”

Então, quem foram esses primeiros colonos? D'Andrea e Curtin especulam que eles poderiam ser celtas, embora não necessariamente monges. Por um lado, muitos nomes de lugares faroenses derivam de palavras celtas, e antigas, embora não datadas, marcações de túmulos celtas pontilham as ilhas. Além disso, estudos de DNA dos faroenses modernos mostram que suas linhagens paternas são principalmente escandinavas, enquanto suas linhagens maternas são principalmente celtas. Outras regiões no Atlântico Norte mostram essa assimetria – acredita-se que os colonos vikings do sexo masculino trouxeram noivas celtas com eles. Mas as Ilhas Faroé têm o nível mais alto de ancestralidade celta materna, sugerindo uma população celta existente que precedeu os vikings.

Kevin Edwards, arqueólogo e pesquisador ambiental da Universidade de Aberdeen (Reino Unido) e coautor do artigo de grãos de cevada de 2013 , disse que o novo estudo “produziu evidências convincentes e empolgantes de outra ilha dentro do arquipélago” da ocupação humana anterior. Ele acrescentou: “É possível encontrar evidências semelhantes na Islândia, onde argumentos semelhantes são feitos para uma presença pré-nórdica, e para a qual DNA arqueológico, de pólen e humano tentadoramente semelhantes estão disponíveis?”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

América do Norte