• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência03/02/2022

‘Ictiossauro-monstro’ é descoberto na Colômbia

Concepção artística do Kyhytysuka sachicarum, que viveu onde hoje é a Colômbia no Cretáceo Inferior. Crédito: Dirley Cortés

Concepção artística do Kyhytysuka sachicarum, que viveu onde hoje é a Colômbia no Cretáceo Inferior. Crédito: Dirley Cortés

03/02/22 - 04h17min - Atualizado em 03/02/22 - 18h29min

Uma equipe de pesquisadores do Canadá, da Colômbia e da Alemanha descobriu um novo réptil marinho pré-histórico. O espécime, um crânio de um metro de comprimento incrivelmente preservado, é um dos últimos ictiossauros (animais antigos que se pareciam assustadoramente com os atuais peixes-espada) a viver no planeta. A pesquisa sobre a descoberta foi objeto de artigo na revista Journal of Systematic Palaeontology.

+ Dinossauro banguela é descoberto no Paraná
+ Tartaruga empalada revela dado novo sobre o dia em que os dinossauros morreram
+ Fósseis da Patagônia mostram que dinossauros do Jurássico tinham mentalidade de rebanho

“Esse animal desenvolveu uma dentição única que lhe permitia comer presas grandes”, disse Hans Larsson, diretor do Museu Redpath da Universidade McGill (Canadá) e coautor do estudo. “Enquanto outros ictiossauros tinham dentes pequenos e do mesmo tamanho para se alimentar de pequenas presas, essa nova espécie modificou o tamanho e o espaçamento dos dentes para construir um arsenal capaz de matar presas de porte maior, como peixes grandes e outros répteis marinhos.”

O animal recebeu o nome de Kyhytysuka sachicarum. “Decidimos chamá-lo de Kyhytysuka, que pode ser traduzido como ‘aquele que corta com algo afiado’ em uma língua indígena da região central da Colômbia onde o fóssil foi encontrado, para homenagear a antiga cultura muisca que existiu lá por milênios”, afirmou Dirley Cortés, graduada na Universidade McGill sob a supervisão de Hans Larsson e Carlos Jaramillo, do Instituto Smithsonian de Pesquisa Tropical.

Panorama mais claro

O panorama geral da evolução dos ictiossauros fica mais claro com essa nova espécie, dizem os pesquisadores. “Comparamos esse animal com outros ictiossauros jurássicos e cretáceos e conseguimos definir um novo tipo de ictiossauros”, disse Erin Maxwell, do Museu Estadual de História Natural de Stuttgart (graduada do laboratório de Hans Larsson na Universidade McGill). “Isso abala a árvore evolutiva dos ictiossauros e nos permite testar novas ideias de como eles evoluíram.”

Segundo os pesquisadores, essa espécie vem de um importante período de transição durante o período Cretáceo Inferior. Nessa época, a Terra estava saindo de um período relativamente frio, os níveis do mar aumentavam e o supercontinente Pangeia estava se dividindo em massas de terra ao norte e ao sul. Houve também um evento de extinção global no final do Jurássico que mudou os ecossistemas marinhos e terrestres. “Muitos ecossistemas marinhos jurássicos clássicos de ictiossauros que se alimentavam em águas profundas, plesiossauros de pescoço curto e crocodilos adaptados aos mares foram sucedidos por novas linhagens de plesiossauros de pescoço longo, tartarugas marinhas, grandes lagartos marinhos chamados mosassauros e agora esse ictiossauro monstro”, disse Dirley Cortés.

“Estamos descobrindo muitas novas espécies nas rochas de onde vem esse novo ictiossauro. Estamos testando a ideia de que essa região e época na Colômbia era um antigo hotspot de biodiversidade e estamos usando os fósseis para entender melhor a evolução dos ecossistemas marinhos durante esse período de transição”, acrescentou ela.

Como próximos passos, os pesquisadores continuam a explorar a riqueza de novos fósseis alojados no Centro de Investigaciones Paleontológicas de Villa de Leyva, na Colômbia. “Foi aqui que cresci”, disse Cortés, “e é muito gratificante poder fazer pesquisas aqui também.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Canadá