Imagens de satélite mostram queda dramática da poluição na Índia

A quarentena no superpopuloso país asiático derrubou drasticamente as emissões de dióxido de nitrogênio na atmosfera

Concentrações de dióxido de nitrogênio na Índia. Entre os destaques das imagens estão a presença de termelétricas a carvão no nordeste do país e a rota de navios no sul. Crédito: Dados do Copernicus Sentinel (2019-20) modificados, processados pela ESA

As quarentenas impostas para impedir a propagação do coronavírus foram recentemente relacionadas à qualidade do ar mais limpa na Europa e na China. Novas imagens do satélite Copernicus Sentinel-5P, do programa Copernicus da União Europeia, agora mostram algumas cidades da Índia vendo níveis de queda de cerca de 40% a 50% devido à quarentena vigente em todo o país.

Em 25 de março de 2020, o governo indiano colocou sua população de mais de 1,3 bilhão de cidadãos em quarentena em um esforço para reduzir a propagação da covid-19. Todos os mercados, lojas e locais de culto não essenciais foram fechados. Foram mantidos em atividade apenas os serviços essenciais, incluindo água, eletricidade e serviços de saúde.

Novos mapas de satélite, produzidos com dados do satélite Copernicus Sentinel-5P, mostram concentrações médias de dióxido de nitrogênio na Índia de 1º de janeiro a 24 de março de 2020 e 25 de março (o primeiro dia da quarentena) a 20 de abril de 2020 – em comparação com o mesmo período no ano passado.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus: quarentena causa queda na poluição em toda a Europa

A redução significativa nas concentrações pode ser vista nas principais cidades da Índia. Mumbai (na costa oeste) e Nova Délhi (mais ao norte) registraram quedas de cerca de 40%-50% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Usinas a carvão

Claus Zehner, gerente da missão Copernicus Sentinel-5P da ESA, diz: “Graças ao instrumento Tropomi no satélite Copernicus Sentinel-5P, podemos observar reduções tão elevadas nas concentrações na Europa, China e agora na Índia por causa das medidas implementadas na quarentena nacional.”

Ele acrescenta: “O que é interessante nesses novos mapas são os altos valores das concentrações de dióxido de nitrogênio no nordeste da Índia. Nossa análise mostra que esses aglomerados estão diretamente ligados à localização de usinas a carvão em funcionamento. A maior usina de energia da Índia, a Vindhyachal Super Thermal Power Station, mostra uma redução de apenas cerca de 15% em comparação com a mesma época do ano passado.”

De acordo com um relatório recente da agência de notícias Reuters, o consumo de eletricidade da Índia caiu 9,2% em março de 2020. Usando dados da Power System Operation Corp Ltd (Posoco), eles descobriram que os consumidores usaram 100,2 bilhões de quilowatts-hora (kWh) em março de 2020, em comparação com 110,33 bilhões de kWh a partir de 2019.

Josef Aschbacher, diretor de Programas de Observação da Terra da ESA, comenta: “Outra característica interessante que podemos ver nessas imagens é o tráfego marítimo no Oceano Índico. Podemos ver claramente uma trilha fraca de emissões de dióxido de nitrogênio deixadas na atmosfera, pois o tráfego de navios comerciais parece quase o mesmo do ano passado. As rotas de navegação aparecem como uma linha reta porque os navios seguem mais ou menos exatamente a mesma rota.”

Atividade humana

Normalmente, o dióxido de nitrogênio é liberado na atmosfera como resultado do funcionamento de usinas, instalações industriais e veículos – aumentando a probabilidade de desenvolvimento de problemas respiratórios. Como as concentrações em nossa atmosfera variam amplamente a cada dia, é necessário analisar dados por períodos substanciais de tempo, o que permite avaliações mais precisas.

Claus comenta: “A variabilidade climática é um fator importante a ser considerado ao fazer avaliações como essas, e é por isso que nossa equipe calcula a média dos dados por um longo período de tempo. Nesse caso, podemos ver claramente que as concentrações diminuídas são devidas à atividade humana.”

A poluição do ar é um grande problema de saúde ambiental que afeta pessoas de países desenvolvidos e em desenvolvimento. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição do ar mata cerca de 7 milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano.

De acordo com um relatório que utiliza dados do World Air Quality Report da IQAir, as cidades indianas compõem seis das dez áreas urbanas mais poluídas do mundo. A poluição do ar em Nova Délhi, considerada a cidade mais poluída do mundo, é causada pela fumaça do tráfego caótico, pela queima de combustíveis fósseis e pela atividade industrial.

Com mais de 23 mil casos relatados de coronavírus em todo o país, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, estendeu o bloqueio nacional até pelo menos 3 de maio.