Incêndios, fumaça e furacões: os EUA em tempos de mudança climática

De acordo com a Nasa, é muito raro uma imagem de satélite mostrar tantos eventos extremos ameaçando o território americano

Os céus dos EUA em 15 de setembro: ameaças climáticas de sobra. Crédito: Nasa Worldview, Earth Observing System Data e Information System

O satélite Aqua da Nasa obteve a imagem em cores reais dos Estados Unidos reproduzida acima em 15 de setembro de 2020 (terça-feira). Ela mostra os incêndios na Costa Oeste, a fumaça originária deles pairando sobre o país, furacões convergindo de diferentes ângulos e o furacão Sally tocando a terra.

Os pontos vermelhos no oeste indicam áreas com temperatura significativamente mais alta do que as áreas ao redor e são indicativos de incêndios. Esses pontos são mais pronunciados para cima e para baixo na Costa Oeste, mas também pontilham o país de costa a costa.

Além disso, na imagem são flagrados quatro furacões/tempestades tropicais a leste e oeste. No lado esquerdo está Karina, que se afastava da área da Baixa Califórnia (noroeste do México). O furacão Sally, visto no meio da imagem, atingiu a costa do Golfo do México em 16 de setembro, trazendo inundações catastróficas em seu rastro. O furacão Paulette estava na costa leste, perto das Bermudas, com ventos de 119 km/h, embora nenhuma massa de terra estivesse ameaçada. O furacão Teddy, no canto inferior direito estava a leste das Ilhas Leeward (Ilhas de Sotavento, nas Pequenas Antilhas), com ventos sustentados de 119 km/h, e viajava no sentido oeste-noroeste.

LEIA TAMBÉM: Matemática mostra como mudança climática derrubou civilização na Ásia

As imagens de satélite são geradas todos os dias – na verdade, várias vezes a partir de diversos satélites. Mas a própria Nasa observou que ainda é muito incomum captar uma imagem de tantos perigos climáticos de uma só vez.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança