Inteligência artificial interpreta personalidade de pessoas em selfies

Tecnologia desenvolvida pode ser empregada em serviços de atendimento ao consumidor, aulas online ou sites de namoro

Modelo desenvolvido por pesquisadores russos conseguiu êxito acima do acaso nas avaliações de pessoas retratadas em selfies. Crédito: Piqsels

Pesquisadores russos mostraram que a inteligência artificial é capaz de inferir a personalidade das pessoas a partir de selfies melhor do que avaliadores humanos. As previsões de personalidade baseadas em rostos femininos pareceram ser mais confiáveis ​​do que as de rostos masculinos.

A tecnologia pode ser usada para encontrar as “melhores correspondências” em serviços de atendimento ao cliente, sites de namoro ou aulas online. O artigo sobre o estudo foi publicado na revista “Scientific Reports”.

Vincular a aparência facial à personalidade já era um exercício feito por fisionomistas da Grécia Antiga e pelo psiquiatra e cientista italiano Cesare Lombroso, mas a maioria de suas ideias não resistiu ao escrutínio da ciência moderna. As poucas associações estabelecidas de características faciais específicas (como a proporção largura/altura facial) com traços de personalidade são bastante fracas. Estudos que pedem que avaliadores humanos façam julgamentos de personalidade baseados em fotografias produziram resultados inconsistentes, sugerindo que nossos julgamentos não são confiáveis ​​demais para terem importância prática.

LEIA TAMBÉM: Diagnóstico de inteligência artificial já iguala o de médicos humanos

Processamento holístico

Existem argumentos teóricos e evolutivos para sugerir que algumas informações sobre características da personalidade, em particular aquelas essenciais para a comunicação social, possam ser transmitidas pelo rosto humano. Afinal, o rosto e o comportamento são moldados por genes e hormônios, e as experiências sociais resultantes da aparência podem afetar o desenvolvimento da personalidade. No entanto, as evidências recentes da neurociência sugerem que, em vez de examinar características faciais específicas, o cérebro humano processa imagens de rostos de maneira holística.

Pesquisadores de duas universidades de Moscou, a HSE University (Higher School of Economics) e a Open University for Humanities and Economics, uniram-se à empresa russo-britânica de negócios BestFitMe para treinar em cascata redes neurais artificiais a fim de fazer julgamentos de personalidade confiáveis em fotografias de rostos humanos. O desempenho do modelo resultante foi superior ao descoberto em estudos anteriores que usaram aprendizado de máquina ou avaliadores humanos.

O estudo foi realizado em uma amostra de 12 mil voluntários. Eles preencheram um questionário no qual eram apresentados traços de personalidade com base no Modelo dos Cinco Fatores (abertura para a experiência; conscienciosidade; extroversão; neuroticismo ou instabilidade emocional; e amabilidade) e postaram um total de 31 mil selfies.

Os entrevistados foram divididos aleatoriamente em um grupo de treinamento e outro de controle. Uma série de redes neurais foi usada para pré-processar as imagens a fim de garantir qualidade e características consistentes e excluir rostos com expressões emocionais, além de fotos de celebridades e gatos. Em seguida, uma rede neural de classificação de imagens foi treinada para decompor cada imagem em 128 recursos invariantes, seguida por um perceptron (outro tipo de rede neural) de várias camadas que usava invariantes de imagem para prever traços de personalidade.

Acima do acaso

Os resultados mostraram que a inteligência artificial pode adivinhar corretamente a posição relativa de dois indivíduos escolhidos aleatoriamente em uma dimensão de personalidade em 58% dos casos, em oposição aos 50% esperados pelo acaso. Isso sugere que uma rede neural artificial baseada em imagens faciais estáticas supera um avaliador humano médio que analisa a pessoa sem conhecê-la previamente.

A inteligência artificial foi capaz de fazer julgamentos acima do acaso sobre conscienciosidade (tendência a mostrar autodisciplina, orientação para os deveres e para atingir os objetivos), neuroticismo (maior propensão do que a média a demonstrar mau humor e a experimentar sentimentos como ansiedade, preocupação, medo, raiva, frustração, inveja, ciúme, culpa, humor depressivo e solidão), extroversão, aceitação e abertura com base em selfies que os voluntários postam online. Os julgamentos de personalidade resultantes foram consistentes em diferentes fotografias dos mesmos indivíduos.

A conscienciosidade surgiu como a característica mais facilmente reconhecível na comparação com as outras quatro.

Há um grande número de aplicativos em potencial a serem explorados. O reconhecimento da personalidade a partir de fotos da vida real pode complementar as abordagens tradicionais da avaliação da personalidade em situações em que alta velocidade e baixo custo são mais importantes do que alta precisão. A inteligência artificial pode ser usada para propor produtos mais adequados à personalidade do cliente ou para selecionar as “melhores correspondências” possíveis para indivíduos em interações do tipo atendimento ao cliente, sites de namoro ou tutoria online.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança