Ioga beneficia o cérebro da mesma forma que exercícios aeróbicos

Descoberta é intrigante, porque a tradicional prática indiana não é aeróbica por natureza

Ioga: mecanismos desconhecidos levam a prática a conseguir os mesmos efeitos no cérebro obtidos por exercícios aeróbicos. Crédito: Max Pixel

Os cientistas sabem há décadas que o exercício aeróbico fortalece o cérebro e contribui para o crescimento de novos neurônios, mas poucos estudos examinaram como a ioga afeta o cérebro. Uma revisão da ciência feita por pesquisadoras americanas encontra evidências de que a ioga aprimora muitas das estruturas e funções cerebrais que se beneficiam do exercício aeróbico.

A revisão, publicada na revista “Brain Plasticity”, concentrou-se em 11 estudos sobre a relação entre a prática de ioga e a saúde do cérebro. Cinco dos estudos envolveram indivíduos sem experiência na prática de ioga em uma ou mais sessões por semana, durante um período de 10 a 24 semanas, comparando a saúde do cérebro no início e no fim da intervenção. Os outros estudos mediram as diferenças cerebrais entre indivíduos que praticam ioga regularmente e aqueles que não praticam.

Cada um dos estudos usou técnicas de imagem cerebral, como ressonância magnética, ressonância magnética funcional ou tomografia computadorizada de emissão de fóton único. Todos envolviam hatha yoga, modalidade que inclui movimentos corporais, meditação e exercícios respiratórios.

LEIA TAMBÉM: O alcance da ioga

“Desses 11 estudos, identificamos algumas regiões cerebrais que surgem consistentemente e, surpreendentemente, não são muito diferentes do que vemos com a pesquisa de exercícios”, disse Neha Gothe, professora de cinesiologia e saúde comunitária da Universidade de Illinois, que liderou a pesquisa com Jessica Damoiseaux, professora de psicologia da Universidade Estadual Wayne.

Aumento no hipocampo

“Por exemplo, vemos aumentos no volume do hipocampo com a prática de ioga”, disse Gothe. Muitos estudos analisando os efeitos cerebrais do exercício aeróbico mostraram um aumento semelhante no tamanho do hipocampo ao longo do tempo, ressaltou ela.

O hipocampo está envolvido no processamento da memória e é conhecido por diminuir com a idade, disse Gothe. “É também a estrutura que é afetada pela primeira vez na demência e na doença de Alzheimer.”

Embora muitos dos estudos considerados sejam exploratórios e não conclusivos, a pesquisa aponta para outras importantes alterações cerebrais associadas à prática regular de ioga, disse Damoiseaux. A amígdala, uma estrutura cerebral que contribui para a regulação emocional, tende a ser maior em praticantes de ioga do que em seus pares que não praticam ioga. O córtex pré-frontal, o córtex cingulado e as redes cerebrais, como a rede de modo padrão, também tendem a ser maiores ou mais eficientes naqueles que praticam ioga regularmente.

“O córtex pré-frontal, uma região do cérebro logo atrás da testa, é essencial para planejar, tomar decisões, realizar várias tarefas, pensar em suas opções e escolher a opção certa”, disse Damoiseaux. “A rede de modo padrão é um conjunto de regiões do cérebro envolvidas no pensamento sobre si mesmo, planejamento e memória.”

Mecanismos desconhecidos

Como a amígdala, o córtex cingulado faz parte do sistema límbico, um circuito de estruturas que desempenha um papel fundamental na regulação emocional, aprendizado e memória, disse ela.

Os estudos também descobriram que as alterações cerebrais observadas em indivíduos praticantes de ioga estão associadas a um melhor desempenho em testes cognitivos ou medidas de regulação emocional.

A descoberta de que a ioga pode ter efeitos semelhantes no cérebro aos exercícios aeróbicos é intrigante e merece mais estudos, disse Gothe.

“A ioga não é aeróbica por natureza, então deve haver outros mecanismos que levem a essas alterações cerebrais”, disse ela. “Até agora, não temos evidências para identificar quais são esses mecanismos.”

Ela suspeita que melhorar a regulação emocional é a chave para os efeitos positivos da ioga no cérebro. Estudos vinculam o estresse em humanos e animais ao encolhimento do hipocampo e ao pior desempenho em testes de memória, por exemplo, disse ela.

Gerenciamento de estresse

“Em um dos meus estudos anteriores, estávamos analisando como a ioga altera a resposta ao estresse do cortisol”, disse Gothe. “Descobrimos que aqueles que praticaram ioga por oito semanas tiveram uma resposta atenuada do cortisol ao estresse, associada a um melhor desempenho nos testes de tomada de decisão, troca de tarefas e atenção.”

A ioga ajuda as pessoas com ou sem transtornos de ansiedade a gerenciar seu estresse, disse Gothe.

“A prática de ioga ajuda a melhorar a regulação emocional para reduzir o estresse, ansiedade e depressão”, disse ela. “E isso parece melhorar o funcionamento do cérebro.”

As pesquisadoras dizem que há uma necessidade de mais – e mais rigorosas – pesquisas sobre os efeitos da ioga no cérebro. Elas recomendam grandes estudos de intervenção que envolvam os participantes na ioga por meses, comparem grupos de ioga com grupos de controle ativo e meçam alterações no cérebro e desempenho em testes cognitivos usando abordagens padrão que permitam comparações fáceis com outros tipos de exercício.

“A ciência aponta que a ioga é benéfica para a função cerebral saudável, mas precisamos de estudos de intervenção mais rigorosos e bem controlados para confirmar essas descobertas iniciais”, disse Damoiseaux.