• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured05/03/2022

Ironia da história: ‘desnazificação’ de Putin atinge memorial do Holocausto em Kiev

Sob ordens de militares nazistas, prisioneiros de guerra soviéticos cobrem as covas coletivas do massacre de Babyn Yar, em 1º de outubro de 1941. Crédito:
Johannes Hähle/Wikimedia Commons

William Niven* | The Conversation**
Texto por:William Niven* | The Conversation**05/03/22 - 00h37min - Atualizado em 04/03/22 - 17h14min

No final de setembro de 1941, dezenas de milhares de judeus da cidade de Kiev foram presos pelos alemães com a ajuda da milícia ucraniana. Eles foram levados para um lugar chamado Babyn Yar (ou Babi Yar), que significa “ravina da velha” em ucraniano. Aqui, eles foram forçados a se despir antes de serem baleados por membros do Einsatzgruppe C, Sonderkommando 4a, um esquadrão da morte nazista. Mais de 33 mil judeus foram assassinados. Após o massacre, alguns judeus mais velhos conseguiram retornar a Kiev, onde passaram dias e noites sentados na sinagoga, traumatizados, até que também foram mortos por um guarda alemão.

O massacre de Babyn Yar veio a representar o que é conhecido como o “Holocausto por balas”. Cerca de 1,5 milhão de judeus ucranianos foram assassinados entre 1941 e 1944, a maioria por tiros. Mas não foram apenas os judeus que foram massacrados em Babyn Yar. Quando os soviéticos chegaram a Kiev no final de 1943, os nazistas usaram a ravina para operações de assassinato das quais foram vítimas ciganos, prisioneiros de guerra soviéticos, nacionalistas ucranianos e padres (entre outros). Ao todo, cerca de 100 mil pessoas encontraram a morte em Babyn Yar.

Babyn Yar continuou a trazer a morte. Em março de 1961, um enorme deslizamento de terra conhecido como deslizamento de terra de Kurenivka resultou em lama e água derramando-se por ruas de Kiev. Entre a lama havia restos humanos de Babyn Yar. As autoridades soviéticas tentaram enterrar Babyn Yar sob um aterro sanitário. Em seguida, ele foi preenchido com resíduos líquidos de fábricas de tijolos próximas. O deslizamento de terra, segundo dados oficiais, causou 145 mortes, mas o número pode ter chegado a 1.500, segundo o historiador Oleksandr Anisimov. Estas não seriam as últimas mortes no local: em 1º de março último, um míssil russo direcionado a uma torre de TV em Babyn Yar matou pelo menos cinco pessoas e causou danos ao parque memorial agora localizado lá.

Memória contestada

O primeiro memorial oficial no local foi erguido em 1976. Foi dedicado aos cidadãos soviéticos. Não havia menção aos judeus. Então, após o colapso da União Soviética, novos memoriais foram colocados em Babyn Yar, lembrando os vários grupos de vítimas. Particularmente conhecido, agora, é o memorial aos judeus na forma de uma menorá. Somente no ano passado, um centro memorial foi inaugurado em Babyn Yar.

Que as forças de Putin deveriam atacar ou pelo menos permitir danos colaterais ao local do memorial foi algo amplamente condenado. No contexto da longa história da União Soviética de não reconhecer a vitimização judaica durante o Holocausto, escondendo-a sob a rubrica de “cidadãos soviéticos”, isso parecia mais uma tentativa de apagar a memória da aniquilação dos judeus.

A ironia da situação era palpável. Putin havia falado da necessidade de defender a Rússia contra a “humilhação e genocídio” que emanam da Ucrânia e, portanto, de “desmilitarizá-la e desnazificá-la”. No entanto, ali estavam suas tropas fazendo violência à santidade de um memorial em homenagem aos judeus. A verdadeira ameaça de genocídio não vem da Ucrânia, mas de Putin. O promotor do Tribunal Penal Internacional de Haia acaba de anunciar que iniciará uma investigação sobre possíveis crimes contra a humanidade cometidos durante o ataque da Rússia à Ucrânia. O absurdo das alegações de Putin é, obviamente, confirmado pelo fato de que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, é judeu.

Mas quem são os nazistas aqui?

Mas isso não é uma contradição aos olhos de Putin. O filósofo americano Jason Stanley apontou que Putin se vê como o “líder global do nacionalismo cristão”, o que é difícil, segundo Stanley, distinguir do fascismo. Em tal cenário, os judeus aparecem como uma ameaça e são percebidos como tendo “capturado” a narrativa de vitimização das vítimas “reais” – ou seja, cristãos russos. Seguindo esse argumento, podemos dizer que qualquer ataque à memória do Holocausto é também um ataque ao que se imagina como fonte de poder judaico no presente.

Na União Soviética – e no bloco oriental em geral –, especialmente na década de 1950, foram realizadas campanhas contra o “cosmopolitismo judaico”. Os judeus que viviam na Europa Oriental foram acusados ​​de ser fornecedores de influências ocidentais corruptas e de falta de patriotismo. Aos olhos de Putin, o governo da Ucrânia, ao supostamente negar o direito daqueles que vivem na Crimeia e na região de Donbas de “retornar” à Rússia, está agindo como neonazistas. No entanto, agora a ameaça não é Hitler, mas o imperialismo ocidental dirigido pela Otan – que Putin vê claramente como o novo fascismo.

O Ocidente, diz Putin, está tentando impor valores à Rússia que “nos corroeriam por dentro”. Tais atitudes levam à “degradação e degeneração”. Isso soa como Hitler falando sobre judeus. E no centro do que Putin vê como essa conspiração ocidental de infiltração, na Ucrânia, está um judeu: Zelensky, cujos três tios-avôs foram assassinados no Holocausto. Se Putin realmente vê a memória do Holocausto como uma ferramenta do imperialismo ocidental, então o que aconteceu em Babyn Yar talvez não seja surpresa.

Antissemitismo implícito

Houve relatos sugerindo que o local do memorial não foi danificado, ou foram apenas danos leves. Mas Zelensky, ao perguntar ao mundo em um tuíte qual é o sentido de dizer “nunca mais” quando as bombas caem em Babyn Yar, já usou a situação para apontar para o antissemitismo implícito (e certamente em sua opinião também agora explícito) na campanha russa contra a Ucrânia.

O parque memorial Babyn Yar pode ser adicionado a qualquer momento. Em 2006, foi instalado um memorial às vítimas do deslizamento de lama de Kurenivka em 1961. Quando esta guerra terminar e a paz retornar a Babyn Yar e seu parque memorial, podemos esperar que um memorial seja dedicado às cinco pessoas que morreram no ataque russo – em comemoração a todas as vítimas da guerra atual.

O autor gostaria de agradecer à drª Amy Williams, da Universidade de Nottingham Trent, cujo trabalho em memoriais trouxe informações para este artigo.

* William Niven é professor emérito de História Alemã Contemporânea na Universidade de Nottingham Trent (Reino Unido).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Babi Yar