James Webb, o novo explorador do universo, toma forma

Telescópio espacial considerado sucessor do Hubble apareceu pela primeira vez com suas duas metades montadas

James Webb montado: faltam alguns detalhes para o sucessor do Hubble ficar pronto. Foto: Nasa/Chris Gunn

No fim de agosto, o Telescópio Espacial James Webb apareceu pela primeira vez em seu formato completo: engenheiros da Northrop Grumman conectaram com sucesso as duas metades da sonda nas instalações da empresa em Redondo Beach, Califórnia. Considerado sucessor do Hubble, o James Webb (JWST, na sigla em inglês) explorará o universo usando luz infravermelha, desde planetas e luas dentro do Sistema Solar até as galáxias mais antigas e distantes. O telescópio é um empreendimento da Nasa em parceria com a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Canadense (CSA),

Para combinar as duas metades do JWST, os engenheiros levantaram cuidadosamente o telescópio (que inclui os espelhos e os instrumentos científicos) acima do protetor solar e da espaçonave já combinados, usando um guindaste. Os membros da equipe lentamente guiaram o telescópio até o lugar certo, garantindo que todos os pontos de contato principais estivessem perfeitamente alinhados e assentados. O observatório foi conectado mecanicamente; os próximos passos serão conectar eletricamente as metades e testar as conexões elétricas.

LEIA TAMBÉM: Luneta Cósmica

Posteriormente, os engenheiros implementarão o intrincado protetor solar de cinco camadas. Ele foi projetado para manter os espelhos e os instrumentos científicos do JWST resfriados, bloqueando a luz infravermelha da Terra, da Lua e do Sol. O posicionamento correto do protetor solar é fundamental para o sucesso da missão.

Temperatura mantida

O JWST vai operar a aproximadamente 1.500.000 km além da órbita da Terra. Como comparação, o Telescópio Espacial Hubble orbita 550 quilômetros acima da superfície do nosso planeta. Objetos próximos à futura localização do JWST podem orbitar o Sol em sincronia com a Terra. Assim sendo, o telescópio permanecerá a uma distância aproximadamente constante e poderá usar um único protetor solar para bloquear o calor e a luz do Sol e da Terra. Com isso, será possível manter a temperatura da espaçonave abaixo de -220 °C, condição necessária para observações por infravermelho.

O nome do telescópio é uma homenagem a James Edwin Webb (1906-1992), administrador da Nasa de 14 de fevereiro de 1961 a 7 de outubro de 1968.

O JWST deverá ser lançado em um foguete europeu Ariane 5 da Guiana Francesa em março de 2021.