Katherine Johnson (1918-2020), a matemática negra que brilhou na Nasa

Falecida em 24 de fevereiro, aos 101 anos, Johnson ocupa um capítulo fundamental na história da agência espacial americana

Johnson por ocasião de seu aniversário de 98 anos: figura icônica na trajetória da Nasa. Crédito: Nasa

Katherine Johnson faleceu em 24 de fevereiro de 2020, depois de viver uma vida cheia de conquistas pioneiras. Ser escolhida a dedo para ser um dos três estudantes negros a integrar as escolas de pós-graduação da Virgínia Ocidental é algo que muitas pessoas considerariam um dos momentos mais notáveis ​​de sua vida, mas foi apenas um dos avanços que marcaram a longa e notável vida de Johnson. Parte de sua vida foi retratada no filme Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures, no original), de 2016, no qual Johnson foi interpretada pela atriz Taraji P. Henson.

Nascida em White Sulphur Springs, Virgínia Ocidental, aos 13 anos, ela cursou o ensino médio no campus da historicamente negra West Virginia State College. Aos 18 anos, ela se matriculou na faculdade, formou-se com as maiores honras em 1937 e conseguiu um emprego como professora em uma escola pública negra na Virgínia.

Em 1953, Johnson começou a trabalhar na seção de Computação da Área Oeste, totalmente ocupada por negras, no laboratório de Langley (Virgínia) do Comitê Consultivo Nacional para Aeronáutica (Naca). Com apenas duas semanas no escritório, ela foi designada para um projeto no ramo de Manobras de Cargas da Divisão de Pesquisa de Voos, e sua posição temporária logo se tornou permanente.

LEIA TAMBÉM: Nome de rua em Washington homenageia matemáticas negras da Nasa

Pioneirismo

Em 1957, Johnson forneceu alguns dos cálculos para o documento “Notes on Space Technology”, de 1958, um compêndio de uma série de palestras ministradas por engenheiros na Divisão de Pesquisa de Voo e na Divisão de Pesquisa de Aeronaves sem Piloto (PARD). Os engenheiros desses grupos formaram o núcleo do Grupo de Tarefas Espaciais, a primeira incursão oficial do Naca em viagens espaciais, e Johnson, que havia trabalhado com muitos deles desde que chegou a Langley, “veio junto com o programa” quando o Naca se tornou a Nasa mais adiante naquele ano.

Em maio de 1961, ela fez uma análise de trajetória da missão de Alan Shepard, a Freedom 7, o primeiro voo espacial humano dos Estados Unidos. Em 1960, ela e o engenheiro Ted Skopinski foram coautores de “Determination of Azimuth Angle at Burnout for Placing a Satellite Over a Selected Earth Position”, um relatório contendo as equações que descrevem um voo espacial orbital em que a posição de pouso da nave espacial é especificada. Foi a primeira vez que uma mulher na Divisão de Pesquisa de Voo recebeu crédito como autora de um relatório de pesquisa.

Taraji P. Henson, como Katherine Johnson, e Janelle Monáe, como a engenheira Mary Jackson, em “Estrelas Além do Tempo”. Crédito: Hopper Stone/SMPSP/Twentieth Century Fox

Em 1962, enquanto a Nasa se preparava para a missão orbital de John Glenn, Katherine Johnson foi convidada a fazer o trabalho pelo qual ela se tornaria mais conhecida. A complexidade do voo orbital exigiu a construção de uma rede mundial de comunicações, ligando estações de rastreamento em todo o mundo aos computadores IBM na capital, Washington, no Cabo Canaveral e em Bermuda.

Conferência do trabalho das máquinas

Os computadores foram programados com as equações orbitais que controlariam a trajetória da cápsula na missão Friendship 7 de Glenn, desde a decolagem até a queda, mas os astronautas estavam receosos de colocar suas vidas sob os cuidados das calculadoras eletrônicas, que eram propensas a “soluços” e apagões. Como parte da lista de verificação de comprovação, Glenn pediu aos engenheiros que “levassem a garota” – Katherine Johnson – para executar os mesmos números nas mesmas equações que haviam sido programadas no computador, mas manualmente, em sua máquina de calcular mecânica de mesa. Katherine Johnson se lembrava do astronauta dizendo: “Se ela diz que eles são bons, então eu estou pronto para ir”.

O voo de Glenn foi um sucesso e marcou um ponto de virada na competição entre os EUA e a União Soviética no espaço.

Johnson recebeu em 2015 a Medalha Presidencial da Liberdade, por indicação do então presidente Barack Obama.

Na imagem no alto, ela comemora seu aniversário de 98 anos, onde um marcador histórico e um banco foram revelados para marcar a ocasião. O evento ocorreu no Virginia Air and Space Center, no centro de visitantes da Nasa em Langley.