Leitura da assinatura magnética da Terra faz ave migratória corrigir sua rota

Estudo mostra que esses pássaros conseguem interpretar a assinatura magnética terrestre bem o suficiente para voltar ao curso em caso de grandes desvios

Rouxinol-pequeno-dos-caniços usado no estudo e depois solto. Crédito: Florian Packmor

Observadores de pássaros ficam muito entusiasmados quando uma ave migratória chega ao seu destino depois de ser lançada para fora do curso e além de seu alcance normal. Mas isso é raro porque a maioria das aves que já fizeram a viagem antes é capaz de corrigir grandes deslocamentos e encontrar seu ponto correto de chegada.

Uma equipe científica mostrou recentemente, pela primeira vez, como as aves deslocadas dessa maneira conseguem voar de volta à sua rota migratória. Os pesquisadores também nos dão uma ideia de como elas realizam essa façanha. Seu estudo foi apresentado na revista “Current Biology”.

A equipe, das universidades de Bangor e de Keele (Reino Unido), descreve no artigo como os pássaros canoros podem navegar de uma “posição magnética” além da que experimentaram em sua rota normal de migração para a rota correta.

Assinatura simulada

Diferentes partes da Terra têm uma “assinatura geomagnética” distinta de acordo com sua localização. Essa é uma combinação da força do campo geomagnético, a inclinação magnética ou o ângulo de mergulho entre as linhas do campo magnético e o horizonte e a declinação magnética, ou o ângulo entre as direções para os polos norte geográfico e magnético.

Pássaros adultos já familiarizados com sua rota de migração e suas assinaturas magnéticas gerais foram mantidos em cativeiro por um curto período. Depois, foram soltos de volta na natureza e expostos a uma simulação da assinatura magnética da Terra em um local a milhares de quilômetros de distância do seu “corredor” migratório natural.

Faixa de reprodução do rouxinol-pequeno-dos-caniços (em verde) na Europa e variação na assinatura geomagnética (intensidade magnética total, inclinação magnética e declinação magnética). A direção migratória natural do local de estudo (ponto branco) em direção à África durante o outono é mostrada como uma seta preta. A direção compensatória esperada do local simulado (estrela preta) é mostrada como uma seta branca. Diagramas circulares: esquerda – orientação dos pássaros experimentando o campo magnético natural no local de estudo na Áustria; direita – orientação dos pássaros experimentando o campo magnético simulado de um local na Rússia enquanto ainda estavam no local de estudo na Áustria. As setas representam a respectiva direção média do grupo. Os pontos pretos mostram a orientação de cada ave testada. Crédito: autores do artigo
Correção de curso

Apesar de permanecerem fisicamente localizados no ponto de captura e experimentando todas as outras pistas sensoriais sobre sua localização, incluindo a luz das estrelas e as vistas, cheiros e sons de sua localização real, os pássaros ainda mostraram o desejo de começar sua jornada como se estivessem no local sugerido pelo sinal magnético que estavam experimentando.

Eles se orientaram para voar em uma direção que os levaria “de volta” à sua rota migratória a partir do local que lhes era sugerido pelos sinais magnéticos que estavam experimentando.

Isso mostra que o campo magnético da Terra é o fator-chave para guiar os pássaros canoros quando eles são arrancados do curso.

“O impulso principal era responder às informações magnéticas que estavam recebendo”, explicou Richard Holland, da Escola de Ciências Naturais da Universidade de Bangor. “O que nosso trabalho atual mostra é que os pássaros são capazes de sentir que estão além dos limites dos campos magnéticos que lhes são familiares por causa de seus movimentos ao longo do ano e são capazes de extrapolar sua posição suficientemente a partir dos sinais. Essa habilidade fascinante permite que os pássaros naveguem em direção à sua rota normal de migração.”

Configuração magnética usada na Áustria para simular um deslocamento de pássaros para fora do curso, expondo-os ao campo magnético do local russo. Crédito: Florian Packmor
Navegação verdadeira

O dr. Dmitry Kishkinev, da Escola de Ciências da Vida da Universidade de Keele, explicou: “O que esses pássaros estão conseguindo é a ‘navegação verdadeira’. Em outras palavras, eles são capazes de retornar a um objetivo conhecido após o deslocamento para um local completamente desconhecido sem depender de ambientes familiares, pistas que emanam do destino ou informações coletadas durante a viagem para fora de seu curso.”

O rouxinol-pequeno-dos-caniços (Acrocephalus scirpaceus) foi selecionado para a pesquisa. Mas as descobertas feitas provavelmente poderiam ser aplicadas a outras aves canoras em migração.

Florian Packmor, da Universidade de Bangor, afirmou: “Já havíamos mostrado que os rouxinóis-pequenos-dos-caniços usam as mesmas sugestões magnéticas experimentadas dentro de seu alcance natural. Mas este estudo mostra que eles podem extrapolar o que entendem sobre como o campo magnético varia no espaço muito além de qualquer experiência anterior que tiveram”.

Mas os pássaros têm um “mapa” preciso ou estão apenas usando um “princípio básico” a fim de avaliar a correção da rota necessária para voltar ao curso? Essas questões ainda permanecem em aberto.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago