Longe, mas nem tanto!

Mapa une dados de transporte, relevo e distância, mostrando que algumas áreas que pareciam isoladas da civilização podem ser mais acessíveis do que se pensava

O palácio do Potala, em Lhasa, capital do Tibete, a antiga sede do governo e morada do dalai lama, antes da invasão chinesa.

É oficial: um dos locais mais isolados do mundo é o platô do Tibete. No mesmo país situam-se Lhasa e Korla, locais que ficam a 20 dias a pé e um de carro de distância da cidade grande mais próxima. Essa região faz parte dos 10% do território mundial que é extremamente longe do resto da civilização. Isso de acordo com o mapa de acessibilidade global, que calcula o tempo de viagem de vários pontos do globo às cidades grandes, com mais de 50 mil habitantes.

O mapa, desenvolvido por pesquisadores da Junta de Pesquisa (JRC) da Comissão Europeia em Ispra, na Itália, e do World Bank Group, combina informações sobre o terreno, o acesso a estradas, ferrovias, redes fluviais e marítimas com dados de relevo, como altitude e inclinação, e algumas paradas obrigatórias, como a fiscalização ao atravessar uma fronteira internacional. Ele também mostra como algumas partes do mundo se tornaram acessíveis ao passo que outras ficaram mais remotas.

O Rio Amazonas, com seus habitantes, como o jacaré da foto, era um destino quase mítico de viagem. Hoje, está ao alcance de qualquer turista.

O primeiro propósito do que hoje é o projeto do mapa de acessibilidade era construir um modelo gráfico plano para fazer parte de um programa de monitoramento da biodiversidade. Ele ajudaria a analisar a eficácia das áreas ambientais protegidas. “Foi constatado que quanto mais acessível é a área protegida, mais ela está ameaçada”, afirma Alan Belward, chefe da unidade de monitoramento do ambiente global e responsável pela elaboração do mapa.

O projeto começou a ser desenvolvido em 2008, quando Andrew Nelson (JRC) e Hirotsugu Uchida (World Bank) propuseram o “Índice de Aglomeração” (Agglomeration Index) para medir o nível de concentração urbana mundial. Um dos três componentes usados para calcular tal índice foi o tempo de viagem de um determinado local a um centro urbano. Nelson expandiu a ideia do primeiro mapa para um que calculasse a acessibilidade de determinado local com base no tempo de viagem deles a mais de 8.500 grandes cidades do mundo.

 

Todo o trabalho foi incorporado ao relatório de desenvolvimento mundial do World Bank no ano seguinte. “A acessibilidade é relevante em todos os níveis de desenvolvimento e esse mapa preenche uma lacuna importante no entendimento do modelo regional de conectividade econômica, física e social”, observa Belward.

Para elaborar o mapa, foram necessárias técnicas avançadas de modelagem geográfica unindo as informações populacionais e as de redes de estradas, rios, ferrovias e de satélite sobre relevo. De acordo com dados do projeto, a acessibilidade é definida pelo tempo de viagem de um local a outro via terra ou água. Ela, por sua vez, é computada por um algoritmo de custodistância que calcula quanto se gasta para viajar em uma grade regular do plano.

No caso do mapa, esse custo é medido por meio da unidade de tempo. Cada célula da grade contém valores que representam o custo requerido para atravessá-la. Além disso, também foi preciso ter um cálculo aproximado do tempo gasto para se passar por uma fronteira internacional. Outro fator incluído no projeto foi o que os pesquisadores chamam de “superfície de fricção”: as informações referentes aos meios de transporte, como ferrovia e estrada, e de relevo, como declives e superfície do terreno.

A confecção do mapa durou um ano e o custo de produção e de agrupamento de todos os dados foi de cerca de meio milhão de euros, o equivalente a mais de R$ 1 milhão. Mas o esforço valeu a pena, porque mais de 2 mil mapas foram impressos e milhares deles foram baixados do website oficial do projeto http://bioval.jrc.ec.europa.eu/products/gam/index.htm. “O mapa oferece uma medida consistente e global que permite comparações internacionais e cálculos de urbanização para as regiões do mundo”, diz Belward.

A cratera do vulcão Erta Ale, na Etiópia, é um dos lugares de acesso mais difícil do mundo. Para chegar lá são precisos muitos dias de caminhada, já que não há estradas nem meios de transporte.

O responsável pelo projeto acrescenta que o mapa também pode ser muito útil para situar qualquer país em um contexto global. “Embora os dados ainda não sejam detalhados o suficiente para um trabalho regional, eles podem dar aos líderes políticos uma boa noção da situação do país”, explica. O mapa mostra o grau de acessibilidade de vários lugares do mundo e pode indicar um aumento de oportunidade de viagem, comércio, comunicação e interação. No entanto, o gráfico ainda aponta algumas áreas no mundo que estão sendo deixadas para trás, por serem menos acessíveis.

Outra mensagem importante revelada pelo mapa de acessibilidade é que restam poucas áreas de natureza selvagem no globo. Apenas 10% do território mundial está localizado a mais de 48 horas de viagem de uma cidade grande.

“A área selvagem acabou reduzida e concentrada em montanhas altas, como o platô do Tibete, e em latitudes extremas, como a floresta boreal próxima aos lençóis de gelo. Mesmo os desertos e as florestas tropicais não são mais terrenos inacessíveis como antes”, observa Belward. Para se ter uma noção, apenas 20% da região amazônica fica a mais de 48 horas de uma cidade grande, devido ao aumento de estradas e do melhoramento do sistema de navegação fluvial.

Belward afirma que os pesquisadores continuarão trabalhando na questão da biodiversidade, mas que também há intenção de realizar melhoramentos no mapa de acessibilidade atual. O mapa ainda não pode ser usado para analisar apenas uma região específica, por falta de dados mais detalhados sobre a infraestrutura do transporte e dados populacionais. “Queremos que o modelo de cálculo fique mais sofisticado. Por exemplo, fazendo ajustes sazonais para medir o tempo de viagem em estradas não pavimentadas, que se tornam mais difíceis de atravessar em estações chuvosas, ou o sistema fluvial, que não funciona na época de seca”, finaliza.

Índice de aglomeração

Andrew Nelson e Hirotsugu Uchida propuseram um novo meio de medir o nível de urbanização mundial, uma vez que encontraram inconsistências em sua definição ao redor do mundo. “A raiz do problema está em como se mede a concentração urbana de um modo sistemático e consistente”, escrevem no artigo “Agglomeration Index”. Os autores argumentam que não há um padrão internacional para fazer tal cálculo. Então, muitos dados sobre a população que vive em grandes cidades mudam de país para país. Com esse problema em mente, eles criaram o índice de aglomeração, que é a junção de três fatores básicos: densidade populacional, habitantes de grandes centros urbanos e tempo de viagem de uma cidade menor a uma maior.

 

Fatores que alteram o tempo de viagem

Segundo Alan Belward, da Comissão Europeia, há dois fatores que mais influenciam em uma mudança do tempo de viagem: a infraestrutura e as fronteiras internacionais. Para explicar o primeiro, é interessante citar o exemplo das categorias de estrada variadas: via expressa (120 km/h), estradas maiores (60 km/h) e trilha (10 km/h). Cruzar fronteiras internacionais é um fator que influencia na acessibilidade, pois depende da fiscalização de cada país. “A área fronteiriça em Schengen, sudeste de Luxemburgo, é praticamente livre de atraso de viagem. Você deve diminuir a velocidade para passar pela fronteira, mas na maioria das vezes não tem de parar o veículo”, diz Belward. Por outro lado, em outras partes do mundo, atravessar a fronteira pode consumir muito tempo.

 

Tempo de viagem para cidades grandes (em horas e dias) e densidade do corredor marítimo

 

Mapa de sistema fluvial

O mapa de rios navegáveis foi criado a pedido do governo norte-americano nos anos 1980. Algumas regiões do mundo, como o leste da Colômbia e a Amazônia brasileira, dependem do transporte fluvial para estabelecer comércio e assistência social. A velocidade média de uma viagem em rios navegáveis é de 20 km/h. Mas especialistas dizem que ela depende também do fluxo do rio e da estação do ano.

 

Mapa de ferrovias

Os dados desse mapa também foram extraídos da Agência Nacional de Imagem e Mapeamento (Nima), dos Estados Unidos. A maior parte das ferrovias se concentra nas nações mais ricas – países europeus e o Japão. Acredita-se que a presença de vias férreas em países menos desenvolvidos representa resquício da colonização europeia.

 

 

Mapa de estradas

Esse mapa foi feito a partir de dados da Agência Nacional de Imagem e Mapeamento (Nima), dos Estados Unidos. Ele traz informações como o tempo de viagem estimado a vários tipos de estrada – vias expressas, rodovias e trilhas.

 

Mapa de navegação em lagos e baías

O mapa com os maiores pontos de água do globo, como lagos e baías, foi extraído do banco de dados de lagos globais e terras alagadas (GLDW), desenvolvido pela World Wildlife Fund em parceria com a Universidade de Kassel, na Alemanha.

 

Mapa de linha de navegação

Os corredores de tráfego marítimo do Canal da Mancha, do Mediterrâneo e do sul da China são os mais ocupados do mundo. A velocidade de transporte em corredores marítimos é de 40 km/h. Em mar aberto é de 20 km/h.

 

Mapa de inclinação

Alguns dados do mapa de inclinação auxiliam no cálculo de velocidade de viagem que uma pessoa a pé é capaz de atingir em determinados declives. A fórmula de van Wagtendonk é usada para se ter uma estimativa de velocidade.

 

Mapa de elevação

A elevação de relevo influencia na velocidade de viagem. Em altitudes inferiores a 2 mil metros, não há efeito na velocidade da caminhada. Já nas alturas acima de 2 mil metros, há uma diminuição da velocidade, devido ao ar rarefeito.

 

Mapa de áreas urbanas

As áreas urbanas foram parte do Projeto de Mapeamento Rural-Urbano Global (Grump, na sigla em inglês), que compreende um conjunto de dados de cerca de 55 mil cidades com população de mais de mil habitantes. A velocidade de viagem em áreas urbanas é de 30 km.

 

Mapa de cobertura do território

As categorias de tipo de cobertura terrestre foram feitas pela JRC. O objetivo do projeto é oferecer uma base detalhada de informação sobre a flora e o relevo globais para convenção de mudança climática. A velocidade de viagem depende do tipo de vegetação e da estação do ano.

 

Mapa de fronteiras internacionais

Esse mapa de fronteiras também foi elaborado pela Agência Nacional de Imagem e Mapeamento dos Estados Unidos. De acordo com dados, uma média de velocidade de viagem ultrapassando fronteiras varia de 0,25 km/h a 60 km/h.

 

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


COMPARTILHAR