Luta pela conscientização

Desenvolvimento de uma enzima natural (a PETase) que digere alguns dos plásticos mais poluentes pode revolucionar o tratamento dado a esses resíduos

“Plasticus”, obra colocada à frente de um auditório em Roma: alerta sobre um problema urgente (Foto: Andreas Solaro)

O problema representado pelo acúmulo de plástico na natureza, em especial nos oceanos (confira a matéria de capa desta edição), parece entrar gradualmente na ordem do dia. Um exemplo disso é a escultura “Plasticus”, colocada na frente do Auditório Parco della Musica, em Roma, por ocasião do Festival de Ciência National Geographic, realizado de 16 a 22 de abril. A obra, criada pela Sky Ocean Rescue-A Sea to Save, foi feita com 250 quilos de resíduos plásticos – a mesma quantidade despejada nos oceanos por segundo. O desenvolvimento de uma enzima natural (a PETase) que digere alguns dos plásticos mais poluentes, feito por cientistas britânicos e anunciado também em abril, pode revolucionar o tratamento dado à questão, mas o mais importante ainda é conscientizar os consumidores sobre esse problema.

Veja também
+ Jovem grava momento em que mulher morre sem saber que se tratava de sua mãe
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago