Macacos comem ratos que infestam plantações de dendê na Malásia

Primatas podem reduzir a população de ratos em mais de 75% nesses locais, servindo como controle dessa praga

Macaco devora rato em plantação de dendê: a dieta faz desses primatas uma opção para controlar a população de ratos nesses locais. Crédito: Anna Holzner

Os macacos-de-cauda-de-porco que habitam as florestas da Malásia são grandes aliados dos agricultores que cultivam dendê (palma), graças a um hábito alimentar extravagante: eles invadem as áreas de plantio para caçar e devorar ratos, a principal praga do dendê. A descoberta, feita por uma equipe internacional de cientistas, foi publicada na revista “Current Biology”.

“Ao descobrir cavidades em troncos de dendezeiros, onde os ratos procuram abrigo durante o dia, um grupo de macacos-de-cauda-de-porco pode capturar mais de 3 mil ratos por ano”, disse a principal autora do artigo, Anna Holzner, da Universidade de Leipzig e do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária em Leipzig (Alemanha).

Segundo os autores, as visitas dos macacos às plantações podem reduzir o número de ratos em mais de 75%, o que sugere que esses primatas poderiam até substituir os produtos químicos usados ​​para matar roedores.

LEIA TAMBÉM: Macacos-prego desenvolveram ferramentas ao longo de 3 mil anos

Desde 2013, Nadine Ruppert, da Universiti Sains Malaysia, e sua equipe estudam a ecologia e o comportamento desses macacos. Eles logo perceberam que os macacos selvagens passavam muito tempo nas plantações de dendezeiros, localizadas em grandes partes da área nativa desses primatas. Os pesquisadores tinham curiosidade em aprender mais sobre as atividades dos macacos enquanto estavam nessas plantações.

Compensação

Seus estudos mostraram que a dieta de plantação dos macacos incluía muitos frutos de dendezeiros. Embora um grupo de macacos comesse mais de 12 toneladas de frutos de dendezeiros por ano, isso representa apenas 0,56% da produção total de dendezeiros na área dos macacos. Eles compensam isso comendo muitos ratos. Isso é fundamental porque os ratos causam perdas de cerca de 10% da produção; portanto, esses roedores causam muito mais danos às colheitas do que os macacos.

“Fiquei surpreso quando observei pela primeira vez que os macacos se alimentam de ratos nas plantações”, disse Ruppert, coautora do texto. “Eu não esperava que caçassem esses roedores relativamente grandes ou que eles comeriam tanta carne. Eles são amplamente conhecidos como primatas frugívoros, que apenas ocasionalmente se deleitam com pequenos pássaros ou lagartos.”

Ela ficou imediatamente intrigada com o potencial papel desses primatas no controle de pragas. Segundo sua equipe, visitas regulares a macacos-de-cauda-de-porco nas plantações de dendezeiros da Malásia podem reduzir os danos às culturas de 10% para menos de 3%.