Macho de libélula mais colorido atrai mais machos rivais, revela estudo

Pesquisa brasileira ressalta importância de conservação de espécie de libélula única por seu comportamento

Libélula macho dança para fêmea durante ritual de cortejo. Crédito: Stanislav Gorb

Machos de libélulas mais coloridos atraem mais fêmeas, independentemente do tamanho, mas também atraem machos rivais. Essa foi uma das conclusões de pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) que investigou libélulas da espécie Mnesarete pudica, exclusiva da América do Sul, e única por sua cor e comportamento. O estudo foi publicado pela “Scientific Reports”, da Nature.

De acordo com os pesquisadores, as cores das asas têm diversas funções, “como atrair as fêmeas para o território e cortejá-las durante uma dança, lutando contra outros machos; as fêmeas, então, avaliam a cor do oponente para decidir quem vai vencer a luta”, explica Rhainer Guillermo Nascimento Ferreira, docente do Departamento de Hidrobiologia (DHb) da UFSCar, um dos autores do artigo, juntamente com Paloma Pena-Firme, aluna de Ciências Biológicas da universidade.

“A pesquisa foi feita em campo, observando o comportamento dos animais – 120 machos foram observados por 15 minutos cada”, explica Ferreira. A partir disso, os pesquisadores observaram que os machos mais coloridos atraíam mais fêmeas, independentemente do tamanho; no entanto, quanto mais fêmeas eram atraídas para o território, mais machos rivais se aproximavam. “Essa espécie de libélula exibe um comportamento chamado de ‘lek’, no qual os machos defendem arenas de exibição onde ficam se mostrando para as fêmeas; elas, por sua vez, escolhem o macho de acordo com a coloração das asas”, detalha o docente.

LEIA TAMBÉM:

Exibições de cortejo

Segundo relatado no artigo, o comportamento de “lek”, em geral, consiste em ações de cortejo extravagantes por parte do macho, tais como exibição do corpo, emissão de feromônios e sinais acústicos para atrair as fêmeas. Os machos da libélula Mnesarete pudica são famosos por sua coloração única de asa e seus rituais de luta e acasalamento. Essas espécies, que vivem próximas a fontes de água, costumam realizar longas exibições aéreas contra machos rivais, voando em círculos ou em disputas face a face. Os machos também fazem complexas exibições de cortejo, mostrando suas asas coloridas às fêmeas.

De acordo com o professor da UFSCar, estudos dessa natureza são importantes para chamar a atenção para a conservação dessas espécies, que possuem comportamentos únicos. “Esse bicho é único no nosso país, com comportamentos muito complexos e belos”, salienta. Esses estudos também contribuem para a compreensão de como os animais se reproduzem e como se comunicam, possibilitando entender como esses mecanismos de comunicação dentro de uma espécie evoluíram. “Com isso, podemos entender, por exemplo, o nosso próprio comportamento e a sua evolução”, defende.

O pesquisador destaca, também, a importância da conservação do meio em que vivem essas libélulas. “Alterações no ambiente podem afetar essas espécies, principalmente o desmatamento, que pode, por exemplo, extinguir os poleiros que os machos usam para se exibir para as fêmeas ou poluir a água onde as larvas vivem”, afirma.

O estudo contou com apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e foi desenvolvido no âmbito do Laboratório de Estudos Ecológicos em Etologia e Evolução (Lestes), vinculado ao DHb da UFSCar.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança