Macho de viúva-negra segue rastros de rivais em busca de fêmea

Machos de outras espécies podem evitar a competição, mas o da viúva-negra ocidental vai atrás de vestígios de rivais aparentemente por falta de outra alternativa

Fêmea de viúva-negra (esquerda) e macho (direita): relação surpreendente. Foto: McCann/Universidade de Toronto

(Universidade de Toronto) – Um novo estudo da Universidade de Toronto (Canadá), publicado na revista “Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences”, descobriu que os machos de aranhas viúvas-negras seguem rastros de seda deixados por rivais em busca de uma parceira em potencial.

Os machos de viúvas-negras seguem sinais químicos – feromônios – liberados por potenciais parceiras, mas sempre se presumiu que eles evitariam machos rivais porque a competição é muito feroz.

“Esperamos que os machos usem sinais femininos para encontrar uma parceira em potencial, e usem aqueles deixados por seus rivais para evitá-los”, diz Catherine Scott, aluna de doutorado da professora Maydianne Andrade no campus de Scarborough da Universidade de Toronto e principal autora do estudo.

LEIA TAMBÉM: Aranhas marinhas gigantes respiram pelas pernas

“Encontramos machos de viúvas-negras seguindo, em vez de evitar, machos rivais, usando suas trilhas de seda como estradas que os levam rapidamente à teia de uma fêmea, mesmo que não consigam sentir o cheiro das fêmeas.”

A viúva-negra ocidental (Latrodectus hesperus) é uma aranha venenosa nativa de grandes áreas do oeste da América do Norte. A vida de um macho é brutal e curta. A procura por companheiras é arriscada – apenas 12% dos machos sobrevivem – e poucas fêmeas são receptivas a potenciais parceiros a cada noite. Os machos que sobrevivem também correm o risco de ser canibalizados por fêmeas muito maiores antes de terem a chance de acasalar.

 

Importância da velocidade

Andrade, renomada especialista nos hábitos de acasalamento das viúvas-negras canibais, diz que essa dupla tática de usar pistas femininas e seguir seus rivais parece beneficiar os machos porque a velocidade é crítica.

“Os machos são melhores competindo pela mesma fêmea do que arriscando perder completamente”, diz ela.

“O namoro também pode durar horas; então, mesmo que um macho não seja o primeiro a chegar à teia, se ele chegar rápido o suficiente, poderá vencer a competição para ser o primeiro a acasalar.”

Scott conduziu grande parte da pesquisa para esse estudo de campo com o coautor Sean McCann, parcialmente apoiado por uma campanha de financiamento coletivo, onde ela rastreou centenas de machos de viúvas-negras ocidentais em uma praia da Ilha de Vancouver.

Ela descobriu que machos conseguiam localizar fêmeas a até 60 metros de distância, apesar de serem apenas do tamanho de um grão de arroz. Surpreendentemente, os machos com acesso aos rastros de seda de outros machos se moviam em velocidades mais altas do que aqueles com acesso somente a sinais químicos das fêmeas.

 

Rastro da seda

Não está claro se os machos estão pegando sinais químicos deixados na seda de seus rivais, mas é provável que isso ocorra porque seguem apenas a seda de outras viúvas-negras e não de outras espécies.

O que está claro é que a presença da seda de um rival indica que uma fêmea estava sinalizando com feromônios em algum momento no início da noite. O primeiro macho a descobrir a fêmea vai desligar o sinal destruindo sua teia, mas Scott aponta que outros machos vão “escutar” essa conversa anterior seguindo a trilha de seda deixada para trás, mesmo que eles já não consigam mais sentir o cheiro da fêmea.

O objetivo imediato dessa pesquisa é ver como as viúvas-negras usam informações para vencer a corrida para encontrar um parceiro, mas entender a comunicação química das viúvas-negras pode ter importantes aplicações práticas. As descobertas podem ajudar a desenvolver uma forma livre de pesticidas para controlar as viúvas-negras em situações em que elas são consideradas pragas, o que é importante, considerando que seu veneno é uma neurotoxina em humanos.

Scott, que se tornará pesquisadora de pós-doutorado na Universidade Arcadia (EUA) ainda este ano, ficou surpresa ao encontrar machos seguindo seus rivais. Geralmente, se os machos têm uma escolha entre competir por uma parceira ou evitar a competição, eles escolhem a segunda alternativa.

 

Sem escolha

“Ao estudarmos essas aranhas no campo, percebemos que elas provavelmente nunca conseguem fazer essa escolha”, diz ela.

Embora muitas pesquisas no laboratório tendam a se concentrar em como os sinais químicos afetam o comportamento de corte ou permitem que as fêmeas atraiam parceiros em potencial, ela diz que se sabe muito menos sobre como os machos encontram fêmeas na natureza.

“É muito difícil fazer esse tipo de estudo na natureza”, acrescenta Andrade, cujo laboratório descobriu como os machos de viúva-negra escolhem fêmeas bem alimentadas para evitar serem comidos vivos, e como eles também procuram fêmeas imaturas como estratégia de acasalamento.

“Quando você descobre um comportamento que parece contra-intuitivo, isso apenas mostra que você realmente precisa estudar esse comportamento de acasalamento, como acontece na natureza.”