Maior buraco de ozônio sobre o Ártico já se fechou

Ruptura na camada de ozônio sobre a região ártica chegou a três vezes o tamanho da Groenlândia; fenômeno raro só teve paralelo em 1997 e 2011

O buraco visível em 26 de março (esquerda) e agora fechado: evento incomum. Crédito: Nasa Ozone Watch

O maior buraco de ozônio já aberto sobre o Ártico agora está fechado, segundo cientistas que observaram o fenômeno. A brecha “sem precedentes” na camada que protege a Terra das radiações nocivas do Sol estabeleceu um novo recorde de depleção de ozônio no hemisfério norte quando se formou, no fim de março. O buraco tinha aproximadamente três vezes o tamanho da Groenlândia e se estendia sobre o topo da calota polar.

No fim da semana passada, o Copernicus Atmosphere Monitoring Service (CAMS) anunciou que o ozônio na área afetada havia se recuperado.

Embora buracos menores já tenham aparecido na camada de ozônio no hemisfério norte antes, os cientistas disseram que era a “primeira vez que você pode falar sobre um verdadeiro buraco de ozônio no Ártico”.

LEIA TAMBÉM: Vitória da natureza: como seria a Terra sem os humanos

Cientistas que monitoraram o buraco no CAMS afirmaram que, apesar de as quarentenas por coronavírus levarem a uma redução significativa na poluição do ar, a pandemia provavelmente não foi a razão do fechamento do buraco na camada de ozônio. “Na verdade, a covid-19 e os bloqueios associados provavelmente não tiveram nada a ver com isso”, tuitou o CAMS no domingo. “Ele foi impulsionado por um vórtice polar anormalmente forte e duradouro, e não está relacionado a mudanças na qualidade do ar.”

Fenômeno raro

Segundo dados recentes da Nasa, o “severo” esgotamento de ozônio no Ártico foi certamente incomum – 1997 e 2011 são os únicos outros anos em que ocorreram depleções semelhantes de estratosfera naquela região do planeta. “Embora esses níveis baixos sejam raros, eles não têm precedentes”, disseram os pesquisadores.

Em um artigo anterior sobre as causas do esgotamento do ozônio no Ártico, os cientistas afirmaram: “Enquanto estamos acostumados a buracos de ozônio que se desenvolvem ao longo da Antártida todos os anos durante a primavera austral, as condições necessárias para esse forte esgotamento do ozônio normalmente não são encontradas. no hemisfério norte”.

Na Antártida, a espessura da camada de ozônio muda com a estação. Os invernos congelantes levam à combinação de nuvens de alta altitude com clorofluorocarbonetos (CFCs), que prejudicam o ozônio. Essas substâncias permanecem na atmosfera por décadas e diluem a camada.

Esse esgotamento tem causado um buraco de ozônio anual na Antártida nos últimos 35 anos. No entanto, anos após a proibição de CFCs, uma lenta recuperação está em andamento. O buraco na camada de ozônio verificado na Antártida de 2019 foi um dos menores registrados desde que o problema foi descoberto.

Já no Ártico, o clima normalmente é mais quente e, portanto, as mesmas nuvens de alta altitude não se formam.

“Esse buraco no ozônio era basicamente um sintoma do maior problema de depleção do ozônio e foi fechado por causa dos ciclos anuais locais, e não pela cura a longo prazo”, disseram os cientistas do CAMS. “Mas há esperança: a camada de ozônio também está se recuperando, mas lentamente.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança