Maior estudo sobre dose de reforço da vacina confirma alta eficácia

Trabalho realizado em Israel mostrou que risco de hospitalização por covid-19 é 93% menor em pessoas que tomam três doses ante aquelas que tomam duas

Vacina: terceira dose com imunizante do tipo RNA mensageiro obtém dose elevada de eficácia. Crédito: Pixabay/CC0 Public Domain

Pesquisadores do Clalit Research Institute (Israel) e da Universidade Harvard (EUA) analisaram um dos maiores bancos de dados integrados de registros de saúde do mundo para examinar a eficácia da terceira dose da vacina da Pfizer/BioNTech BNT162B2 contra a variante delta do vírus SARS-CoV-2. O estudo fornece a maior avaliação revisada por pares da eficácia de uma terceira dose de “reforço” de uma vacina contra a covid-19 em um ambiente de vacinação em massa em todo o país. Realizado em Israel, o estudo foi publicado na revista The Lancet.

Muitos países estão experimentando um ressurgimento de infecções por SARS-CoV-2, apesar das campanhas de vacinação até agora bem-sucedidas. Isso pode ser devido à maior infecciosidade da variante delta (B.1.617.2) do SARS-CoV-2 e à diminuição da imunidade das vacinas administradas meses antes. Diante do ressurgimento atual, vários países estão planejando administrar uma terceira dose de reforço da vacina de RNA mensageiro (mRNA) contra a covid-19, como as da Pfizer/BioNTech e do laboratório Moderna.

Avaliação mais precisa

O estudo sugere que uma terceira dose de vacina é eficaz na redução de desfechos graves relacionados à covid-19 em comparação com indivíduos que receberam duas doses de vacina há pelo menos cinco meses. É o primeiro a estimar a eficácia de uma terceira dose de uma vacina de mRNA contra a covid-19 – BNT162b2, especificamente – contra desfechos graves com ajuste para vários fatores de confusão possíveis, incluindo comorbidades e características comportamentais. O grande tamanho do estudo também permite uma avaliação mais precisa da eficácia da vacina em diferentes períodos de tempo, diferentes subpopulações (por sexo, idade e número de comorbidades) e diferentes resultados graves (que são mais raros e, portanto, requerem um tamanho de amostra maior). Um ensaio clínico recente conduzido pela BioNTech incluiu um tamanho de amostra menor e não estimou os efeitos da terceira dose para desfechos mais graves.

O estudo ocorreu de 30 de julho de 2021 a 23 de setembro de 2021, coincidindo com a quarta onda de infecção e doença por coronavírus em Israel, durante a qual a variante delta (B.1.617.2) foi a cepa dominante no país para novas infecções (com muito poucas exceções).

Os pesquisadores revisaram os dados de 728.321 indivíduos com 12 anos ou mais que receberam a terceira dose da vacina BNT162b2. Esses indivíduos foram cuidadosamente pareados 1:1 com 728.321 indivíduos que receberam apenas duas injeções da vacina BNT162b2 pelo menos cinco meses antes. A correspondência foi baseada em um amplo conjunto de atributos demográficos, geográficos e relacionados à saúde associados ao risco de infecção, risco de doença grave, estado de saúde e comportamento de busca por saúde. Os indivíduos foram designados a cada grupo dinamicamente com base em seu status de vacinação em mudança (198.476 indivíduos mudaram da coorte não vacinada para a coorte vacinada durante o estudo). Múltiplas análises foram conduzidas para garantir que a eficácia estimada da vacina fosse robusta a possíveis vieses. O estudo incluiu um total de mais de 12 milhões de dias de estudo somando-se as pessoas pesquisadas.

Alta eficácia

Os resultados mostram que, em comparação com indivíduos que receberam apenas duas doses cinco meses antes, indivíduos que receberam três doses da vacina (7 dias ou mais após a terceira dose) tiveram risco 93% menor de hospitalização por covid-19, 92% menor risco de covid-19 grave e 81% menor risco de morte relacionada à doença. A eficácia da vacina foi considerada semelhante para diferentes sexos, grupos de idade (idades entre 40-69 e 70+) e número de comorbidades.

O estudo também incluiu uma análise em nível de população que descobriu que as taxas de infecção começaram a cair para cada grupo de idade 7 a 10 dias depois que esse grupo de idade se tornou elegível para a terceira dose.

“Esses resultados mostram de forma convincente que a terceira dose da vacina é altamente eficaz contra desfechos graves relacionados à covid-19 em diferentes grupos de idade e subgrupos populacionais, uma semana após a terceira dose. Esses dados devem facilitar a tomada de decisões políticas informadas”, disse o prof. Ran Balicer, autor sênior do estudo, diretor do Clalit Research Institute e diretor de inovação da Clalit.

O prof. Ben Reis, diretor do Grupo de Medicina Preditiva do Programa de Informática em Saúde Computacional do Boston Children’s Hospital e da Escola de Medicina de Harvard (EUA), comentou: “Até o momento, um dos principais motores da hesitação vacinal tem sido a falta de informações sobre a eficácia da vacina. Este cuidadoso estudo epidemiológico fornece informações confiáveis ​​sobre a eficácia da terceira dose da vacina, que esperamos seja útil para aqueles que ainda não decidiram sobre a vacinação com uma terceira dose”.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago