Mar era 16 metros mais alto com temperaturas parecidas às atuais

Estudo que considera período há mais de 3 milhões de anos dá uma nova referência para projeções sobre o aumento do nível do mar associado ao aquecimento global

Uma das formações analisadas pelos cientistas: evidências de que o nível do mar estava cerca de 16 metros acima do atual. Foto: Universidade do Novo México

Baseados em evidências preservadas em formações rochosas em uma caverna costeira, cientistas concluíram que há mais de 3 milhões de anos (quando a Terra era 2 °C a 3 °C mais quente que a era pré-industrial) o mar estava até 16 metros acima do nível atual. A descoberta foi publicada na revista “Nature”.

O estudo reuniu pesquisadores das universidades do Novo México, do Sul da Flórida e Columbia (todas nos EUA) e da Universitat de les Illes Balears (Espanha). Uma das ilhas do arquipélago das Baleares, Mallorca, é onde fica a caverna Artà, investigada pelos cientistas.

A análise dos depósitos da caverna produziu níveis do mar que servem como alvo para futuros estudos de estabilidade de manto de gelo, calibrações de modelos de manto de gelo e projeções de aumento futuro do nível do mar, disseram os cientistas.

LEIA TAMBÉM: Nível do mar começou a subir antes do que se imaginava

O nível do mar aumenta como resultado do derretimento dos mantos de gelo, como os que cobrem a Groenlândia e a Antártica. Mas quanto e quão rápido o nível do mar subirá durante o aquecimento?

Segundo Oana Dumitru, aluna de doutorado da Universidade do Sul da Flórida (USF) e principal autora do trabalho, a reconstrução das mudanças do manto de gelo e do nível do mar durante os períodos passados ​​em que o clima estava naturalmente mais quente do que hoje fornece um experimento de laboratório em escala terrestre para avaliar essa questão. Dumitru fez grande parte desse estudo na Universidade do Novo México, orientada pelo professor Yemane Asmerom e pelo cientista pesquisador sênior Victor Polyak.

Ajuste de modelos

“A restrição de modelos para elevação do nível do mar devido ao aumento do aquecimento depende criticamente das medições reais do nível do mar passado”, disse Polyak. “Este estudo fornece medições muito robustas das alturas do nível do mar durante o Plioceno.”

“Podemos usar o conhecimento adquirido em períodos quentes passados ​​para ajustar os modelos de placas de gelo usados ​​para prever a resposta futura das placas de gelo ao atual aquecimento global”, disse Bogdan Onac, professor da USF.

O projeto se concentrou em depósitos que se formam em cavernas costeiras na interface entre água salobra e ar da caverna a cada vez que essas cavidades são inundadas pelo aumento do nível do mar. Na caverna Artà, localizada a 100 metros da costa, o lençol freático é – e foi no passado – coincidente com o nível do mar, diz a professora Joan J. Fornós, da Universitat de les Illes Balears.

Os cientistas descobriram, analisaram e interpretaram seis das formações geológicas encontradas em elevações de 22,5 a 32 metros acima do nível atual do mar. Análises laboratoriais de 70 amostras resultaram em idades entre 4,4 milhões e 3,3 milhões de anos de idade, indicando que os depósitos se formaram durante a época Pliocena.

Um intervalo chave no Plioceno foi o período Piacenziano (cerca de 3,264 milhões a 3,025 milhões de anos atrás), quando as temperaturas eram de 2 °C a 3 °C acima dos níveis pré-industriais. “O intervalo também marca a última vez que o CO2 atmosférico da Terra foi tão alto quanto hoje, fornecendo pistas importantes sobre o que o futuro reserva diante do atual aquecimento antropogênico”, disse Onac.

Subida certa

O estudo constatou que, durante esse período, o nível médio global do mar chegou a 16,2 metros (com um intervalo de incerteza de 5,6 a 19,2 metros) acima do presente. Isso significa que, mesmo que o CO2 atmosférico se estabilize em torno dos níveis atuais, o nível médio global do mar provavelmente ainda aumentaria pelo menos tanto quanto no Piacenziano, se não mais, concluíram os cientistas. De fato, é provável que suba mais devido ao aumento no volume dos oceanos relacionado à elevação da temperatura.

“Considerando os padrões atuais de derretimento, essa extensão do nível do mar provavelmente seria causada por um colapso dos mantos de gelo da Groenlândia e da Antártida Ocidental”, afirmou Dumitru.

Os autores também mediram o nível do mar 23,5 metros acima do de hoje há cerca de 4 milhões de anos, quando as temperaturas médias globais eram até 4 °C mais altas que os níveis pré-industriais. “Esse é um cenário possível, se a redução ativa e agressiva dos gases de efeito estufa na atmosfera não for realizada”, disse Asmerom.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança