Marte alternava períodos secos e úmidos

Até que a atual aridez passasse a imperar, há 3 bilhões de anos, o Planeta Vermelho passou por diversas flutuações em grande escala entre umidade e estiagem

Marte: secura definitiva só se instalou há 3 bilhões de anos. Crédito: ESA & MPS for OSIRIS Team MPS/UPD/LAM/IAA/RSSD/INTA/UPM/DASP/IDA, CC BY-SA 3.0 IGO

O rover Perseverance, da Nasa, pousou em Marte no mês passado e deverá fazer muitas descobertas ali. Mas é bom lembrar que seu antecessor Curiosity continua a explorar a base do Monte Sharp, no Planeta Vermelho, e ainda revela novidades. Um estudo publicado na revista “Geology” mostra que Marte teve eras mais secas e úmidas antes de secar completamente cerca de 3 bilhões de anos atrás.

“O objetivo principal da missão Curiosity era estudar a transição entre o ambiente habitável do passado para o clima seco e frio que Marte tem agora. Tais camadas de rocha registraram essa mudança em grande detalhe”, disse Roger Wiens, coautor do estudo e cientista do Laboratório Nacional de Los Alamos (EUA), onde faz parte da equipe ChemCam. ChemCam é o laser de vaporização de rocha que fica no mastro do rover Curiosity e analisa a composição química das rochas marcianas.

William Rapin, pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS), conduziu o estudo.

Condições reveladas

Usando a câmera de longo alcance da ChemCam para fazer observações detalhadas do terreno íngreme do Monte Sharp, uma equipe que incluiu Wiens e outros pesquisadores em Los Alamos descobriu que o clima marciano alternava entre períodos secos e úmidos antes de ficar completamente seco. A nave espacial na órbita de Marte já havia fornecido pistas sobre a composição mineral das encostas do Monte Sharp. Agora, a ChemCam fez observações detalhadas dos leitos sedimentares da superfície do planeta com sucesso, revelando as condições sob as quais eles se formaram.

Vista dos morros nas encostas do Monte Sharp. São mostrados os diversos tipos de terreno que em breve serão explorados pelo rover Curiosity e os antigos ambientes em que se formaram, de acordo com as estruturas sedimentares observadas nas imagens do telescópio da ChemCam (mosaicos A e B ). Crédito: Nasa/JPL-Caltech/MSSS/CNES/CNRS/LANL/Irap/IAS/LPGN

Subindo pelo terreno, o Curiosity observou que os tipos de leito mudam drasticamente. Acima das argilas depositadas no lago que formam a base do Monte Sharp, camadas de arenito mostram estruturas que indicam sua formação a partir de dunas formadas pelo vento, sugerindo longos episódios de clima seco. Mais acima, leitos finos que se alternam entre frágeis e resistentes são típicos de depósitos de planícies de inundação de rios, marcando o retorno de condições mais úmidas.

Essas mudanças no terreno mostram que o clima de Marte sofreu várias flutuações em grande escala entre os períodos mais úmidos e mais secos, até que as condições geralmente áridas observadas hoje se consolidaram. Durante sua missão, o Curiosity está programado para escalar o sopé do Monte Sharp e fazer várias perfurações ali para uma visão mais detalhada desses materiais fascinantes.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança