Marte é um mundo dividido ao meio na geografia

Enquanto o hemisfério norte marciano é ocupado por planícies suaves, o sul é irregular e acidentado

Vista em perspectiva da região. Crédito: ESA/DLR/FU Berlin

Marte é um mundo de duas metades, como destaca esta nova imagem da sonda Mars Express, da Agência Espacial Europeia (ESA), mostrando onde essas regiões dramaticamente diferentes se reúnem como uma só.

A morfologia e as características da superfície marciana diferem significativamente, dependendo da localização. O hemisfério norte de Marte é plano, liso e, em alguns lugares, fica alguns quilômetros abaixo do hemisfério sul. Enquanto isso, o hemisfério sul é fortemente coberto de crateras e salpicado de bolsões de atividades vulcânicas passadas.

Uma zona de transição conhecida como ‘limite de dicotomia’ separa as planícies do norte e as terras altas do sul. Grande parte dessa região está repleta de algo que os cientistas chamam de terreno acidentado: faixas de terreno irregulares, fragmentadas, onde o áspero e marcado sul dá lugar ao norte mais suave.

LEIA TAMBÉM: Sonda da ESA mostra o intrigante cenário do polo norte de Marte

A nova imagem divulgada pela Mars Express mostra exatamente isso: uma região de terreno acidentado chamada Nilosyrtis Mensae.

Nilosyrtis Mensae: região fortemente afetada por água, vento e gelo. Crédito: ESA/DLR/FU Berlin
Aparência labiríntica

Nilosyrtis Mensae tem uma aparência labiríntica, com inúmeros canais e vales esculpindo o terreno. Água, vento e gelo afetam fortemente esta região, dissecando e corroendo o terreno, juntamente com mudanças na geologia marciana: os vales se formaram ao longo do tempo e cortaram toda a região, e as crateras de impacto definidas uma vez degradaram lentamente, erodindo suas paredes e características.

A grande cratera à direita da estrutura é um exemplo dessa degradação: tem uma aparência suave e arredondada, com paredes levemente inclinadas, bordas suavizadas e um fundo plano que foi ampliado e preenchido por material sedimentar ao longo do tempo. Essa morfologia desgastada reflete a idade avançada da cratera e os níveis de erosão pelos quais passou desde que se formou.

 

Tais processos de erosão também criaram colinas arredondadas e isoladas de topo plano, visíveis dentro da cratera e em toda a região. Eles se destacam do ambiente circundante como características isoladas e contribuem para a aparência irregular e fraturada de terrenos acidentados.

Os cientistas estão interessados ​​em Nilosyrtis Mensae não apenas por sua localização nesta intrigante zona de transição entre o norte e o sul, mas também pelos segredos que ela pode guardar sobre a história da água em Marte.

Fluxo de gelo

Observações dessa região por missões como a Mars Express revelaram cordilheiras, sulcos e outras texturas de superfície indicativas de fluxo de material – provavelmente gelo.

O clima e a atmosfera de Marte antigo permitiram que o gelo e a neve se acumulassem e se movessem pela superfície do planeta.

Pensa-se que o gelo tenha fluído através dos vários vales e através dos planaltos nesta região, na forma de geleiras de movimento lento que varreram detritos enquanto viajavam. Tais características seriam semelhantes às geleiras de rochas aqui na Terra: fluxos gelados cobertos por camadas de lama e sedimentos ou misturas fluidas de gelo, lama, neve e rocha, intercaladas com rochas e pedregulhos maiores.