• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia17/12/2021

Marte: Perseverance traz novos dados sobre a história do planeta

Perseverance: trazendo novidades sobre o passado de Marte. Crédito: Nasa

17/12/21 - 10h55min - Atualizado em 17/12/21 - 11h03min

Cientistas da missão Perseverance Mars da Nasa descobriram que o leito rochoso de Marte sobre o qual seu explorador de seis rodas se move desde o pouso, em fevereiro, provavelmente se formou a partir de magma incandescente. A descoberta tem implicações para a compreensão e datação precisa de eventos críticos na história da cratera Jezero – bem como no resto do planeta.

A equipe também concluiu que as rochas na cratera interagiram com a água várias vezes ao longo das eras e que algumas contêm moléculas orgânicas.

Essas e outras descobertas foram apresentadas em coletiva de imprensa na reunião científica do outono de 2021 da American Geophysical Union (AGU), em Nova Orleans.

Rochas sedimentares ou ígneas?

Mesmo antes de o rover Perseverance pousar em Marte, a equipe científica da missão se perguntou sobre a origem das rochas na área. Eram sedimentares – o acúmulo comprimido de partículas minerais possivelmente transportadas para o local por um antigo sistema de rio? Ou ígneas, possivelmente nascidas de fluxos de lava subindo para a superfície de um vulcão marciano extinto há muito tempo?

“Eu estava começando a me desesperar de que nunca encontraríamos a resposta”, disse o cientista do Projeto Perseverance Ken Farley, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em Pasadena. “Mas então nosso instrumento PIXL deu uma boa olhada no fragmento desgastado de uma rocha da área apelidada de ‘Séítah do Sul’ e tudo ficou claro: os cristais dentro da rocha forneceram o cano fumegante.”

A broca no final do braço robótico do Perseverance pode lixar, ou triturar, superfícies rochosas para permitir que outros instrumentos como o PIXL as estudem. Abreviação em inglês de Instrumento Planetário para Litoquímica de raios X, o PIXL usa fluorescência de raios X para mapear a composição elementar das rochas. Em 12 de novembro, o instrumento analisou uma rocha de Séítah do Sul que a equipe de ciência escolheu para extrair uma amostra do núcleo usando a broca do rover. Os dados do PIXL mostraram que a rocha, apelidada de “Brac”, era composta por uma abundância incomum de grandes cristais de olivina envolvidos em cristais de piroxênio.

Tesouro geológico

“Um bom estudante de geologia dirá que essa textura indica a rocha formada quando os cristais cresceram e se assentaram em um magma de resfriamento lento – por exemplo, um fluxo de lava espesso, lago de lava ou câmara de magma”, disse Farley. “A rocha foi então alterada várias vezes pela água, tornando-se um verdadeiro tesouro que permitirá aos futuros cientistas datar os acontecimentos em Jezero, compreender melhor o período em que a água era mais comum na sua superfície e revelar o início da história do planeta. A missão Mars Sample Return vai ter ótimas opções para escolher.”

A campanha multimissão Mars Sample Return começou com o Perseverance, que está coletando amostras de rochas marcianas em busca de vida microscópica ancestral. Dos 43 tubos de amostra do Perseverance, seis foram selados até agora – quatro com núcleos de rocha, um com atmosfera marciana e um que continha material “testemunho” para observar qualquer contaminação que o rover possa ter trazido da Terra. A Mars Sample Return busca trazer tubos selecionados de volta à Terra, onde gerações de cientistas poderão estudá-los com equipamentos de laboratório poderosos, grandes demais para serem enviados a Marte.

Ainda terá de ser determinado se a rocha rica em olivina se formou em um lago de lava espesso, resfriando na superfície, ou em uma câmara subterrânea posteriormente exposta pela erosão.

Obtido pelo instrumento Mastcam-Z do Perseverance, este vídeo apresenta uma imagem composta de cores aprimoradas que percorre o delta da cratera de Jezero em Marte. O delta se formou bilhões de anos atrás a partir de sedimentos que um antigo rio carregou para a foz de um lago que já existiu na cratera. Crédito: Nasa/JPL-Caltech/ASU/MSSS
Moléculas orgânicas

Outra grande notícia para a Mars Sample Return é a descoberta de compostos orgânicos pelo instrumento Sherloc (Scanning Habitable Environments with Raman & Luminescence for Organics & Chemicals). As moléculas contendo carbono não estão apenas no interior das rochas abrasivas analisadas pelo Sherloc, mas também na poeira das rochas não abrasivas.

A confirmação de compostos orgânicos não é uma confirmação de que existiu vida em Jezero e deixou sinais indicadores (bioassinaturas). Existem mecanismos biológicos e não biológicos que criam esses compostos.

“O rover Curiosity também descobriu substâncias orgânicas em seu local de pouso dentro da cratera Gale”, disse Luther Beegle, investigador principal do Sherloc no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa no sul da Califórnia. “O que Sherloc adiciona à história é sua capacidade de mapear a distribuição espacial de compostos orgânicos dentro das rochas e relacionar esses compostos aos minerais encontrados lá. Isso nos ajuda a entender o ambiente em que os compostos orgânicos se formaram. Mais análises precisam ser feitas para determinar o método de produção para os compostos orgânicos identificados.”

A preservação de substâncias orgânicas dentro de rochas antigas – independentemente da origem – nas crateras Gale e Jezero significa que as bioassinaturas potenciais (sinais de vida, sejam passados ​​ou presentes) também podem ser preservados. “Essa é uma questão que não pode ser resolvida até que as amostras sejam devolvidas à Terra, mas a preservação dos compostos orgânicos é muito empolgante. Quando essas amostras forem devolvidas à Terra, serão uma fonte de investigação científica e descobertas por muitos anos”, disse Beegle.

“Radargrama”

Junto com suas capacidades de amostragem de núcleo de rocha, o Perseverance trouxe o primeiro radar de penetração no solo para a superfície de Marte. O Rimfax (Radar Imager for Mars’ Subsurface Experiment) cria um “radargrama” de características de subsuperfície de até cerca de 10 metros de profundidade. Os dados para esse primeiro radargrama lançado foram coletados enquanto o rover se locomovia através de uma linha de cume da unidade geológica “Crater Floor Fractured Rough” (algo como “Terreno Acidentado Fraturado da Superfície da Cratera”) para a unidade geológica de Séítah.

O cume tem várias formações rochosas com uma inclinação visível para baixo. Com os dados do Rimfax, os cientistas do Perseverance agora sabem que essas camadas de rocha em ângulo continuam no mesmo ângulo bem abaixo da superfície. O radargrama também mostra o projeto de camadas de rocha de Séítah abaixo daquelas de Crater Floor Fractured Rough. Os resultados confirmam ainda mais a crença da equipe de ciência de que a criação de Séítah precedeu a Crater Floor Fractured Rough. A capacidade de observar características geológicas mesmo abaixo da superfície adiciona uma nova dimensão às capacidades de mapeamento geológico da equipe em Marte.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Brac