Máscaras: os melhores (e piores) materiais para fazê-las

Capacidade de filtros de aspirador para proteger as pessoas do novo coronavírus foi uma surpresa para os pesquisadores

Máscara: a qualidade do material empregado é fundamental para o nível de proteção obtido. Crédito: https://www.vperemen.com/CC BY-SA 4.0/Wikimedia

É intuitivo e cientificamente demonstrado que usar uma cobertura facial pode ajudar a reduzir a disseminação do novo coronavírus que causa a covid-19. Mas nem todas as máscaras são criadas da mesma forma, como sublinha uma nova pesquisa de cientistas americanos e britânicos liderada pela Universidade do Arizona (EUA). O estudo, publicado na revista “Journal of Hospital Infection”, avaliou a capacidade de diversos materiais de máscara não tradicionais para proteger uma pessoa da infecção após 30 segundos e após 20 minutos de exposição em um ambiente altamente contaminado.

Quando os pesquisadores compararam o emprego de máscaras com a ausência de proteção durante exposições de 20 minutos e 30 segundos ao vírus, descobriram que os riscos de infecção foram reduzidos em 24%-94% ou 44%-99%. O percentual dependeu da máscara e da duração da exposição. A redução de risco diminuiu à medida que a duração da exposição aumentou, eles descobriram.

“As máscaras N99, que são ainda mais eficientes na filtragem de partículas transportadas pelo ar do que as máscaras N95, são obviamente uma das melhores opções para bloquear o vírus”, afirmou Amanda Wilson, aluna de doutorado em ciências da saúde ambiental na Universidade do Arizona e autora principal do estudo. “Isso ocorre porque elas podem reduzir o risco médio em 94%-99% para exposições de 20 minutos e 30 segundos. Mas elas podem ser difíceis de encontrar. Há também considerações éticas, como deixar as disponíveis para profissionais da área médica.”

LEIA TAMBÉM: Uso generalizado de máscaras pode reduzir muito transmissão de covid-19

Materiais não tradicionais

As melhores opções seguintes, de acordo com a pesquisa, são a N95 e as máscaras cirúrgicas e, talvez surpreendentemente, os filtros para aspiradores, que podem ser inseridos em bolsos dos filtros em máscaras de pano. Os filtros a vácuo reduziram o risco de infecção em 83% para uma exposição de 30 segundos e em 58% para uma exposição de 20 minutos. Dos outros materiais não tradicionais avaliados pelos pesquisadores, toalhas de chá, tecidos de algodão e fronhas antimicrobianas vieram na sequência.

Cachecóis, que reduziram o risco de infecção em 44% após 30 segundos e 24% após 20 minutos, e camisetas de algodão, com eficiência parecida, são apenas um pouco melhores do que não usar máscara, eles descobriram.

“Sabíamos que as máscaras funcionam, mas queríamos saber quão bem e comparar os efeitos de diferentes materiais sobre os resultados de saúde”, disse Wilson, especialista em avaliação quantitativa de riscos microbianos.

Wilson e sua equipe coletaram dados de vários estudos de eficácia da máscara e criaram um modelo de computador para simular o risco de infecção, levando vários fatores em consideração.

“Um grande componente de risco é quanto tempo você está exposto. Comparamos o risco de infecção em 30 segundos e 20 minutos em um ambiente altamente contaminado”, disse ela.

Outras condições que afetam o risco de infecção são o número de pessoas ao seu redor e a distância delas, disse ela.

Tamanho das gotículas

O tamanho das gotículas transportadoras de vírus de espirros, tosse ou até fala é também um fator muito importante. Gotas maiores e mais pesadas que transportam o vírus saem do ar mais rapidamente do que as menores e mais leves. Essa é uma das razões pelas quais a distância ajuda a reduzir a exposição.

“O tamanho do aerossol também pode ser afetado pela umidade”, afirmou Wilson. “Se o ar estiver mais seco, os aerossóis se tornarão menores mais rapidamente. Se a umidade for maior, os aerossóis permanecerão maiores por um longo período de tempo, caindo mais rapidamente. Isso pode parecer bom a princípio, mas esses aerossóis caem nas superfícies, e esse objeto se torna outra rota de exposição potencial.”

O estudo também mostrou que quanto mais tempo uma pessoa passa em um ambiente em que o vírus está presente, menos eficaz a máscara se torna.

“Isso não significa tirar a máscara depois de 20 minutos”, disse Wilson, “mas significa que uma máscara não pode reduzir seu risco a zero. Não vá a um bar por quatro horas e pense que não corre riscos porque você está usando uma máscara. Fique em casa o máximo possível, lave as mãos com frequência, use uma máscara quando estiver fora e não toque no rosto.”

As máscaras protegem o usuário e outras pessoas de várias maneiras diferentes. Wilson disse que existem duas “maneiras intuitivas” pelas quais as máscaras filtram aerossóis maiores: interceptação mecânica e impactação inercial.

Importância do uso adequado

“Quanto mais densas as fibras de um material, melhor é a filtragem. É por isso que contagens mais altas de fios levam a maior eficácia. Há simplesmente mais material para bloquear o vírus”, disse ela. “Mas algumas máscaras (como as feitas de seda) ainda têm propriedades eletrostáticas, que podem atrair partículas menores e impedir que elas passem pela máscara também.”

O modelo desenvolvido por Wilson e seus colegas incluiu parâmetros como taxa de inalação (o volume de ar inalado ao longo do tempo) e concentração de vírus no ar.

“Pegamos muitos dados de pesquisa, colocamos em um modelo matemático e relacionamos esses dados uns com os outros”, disse Wilson. “Por exemplo, se sabemos que as taxas de inalação das pessoas variam muito e sabemos que esse vírus está no ar e esses materiais oferecem essa eficiência em termos de filtragem, o que isso significa para o risco de infecção? Fornecemos uma variedade, em parte, porque todo mundo é diferente, como na quantidade de ar que respiramos ao longo do tempo.”

Wilson também disse que é importante que uma máscara tenha uma boa vedação que aperte o nariz. Ela observou ainda que as pessoas não devem usar uma máscara abaixo do nariz ou deixá-la sob o queixo quando não estiverem em uso.

“O uso adequado de máscaras é muito importante”, disse Wilson. “Além disso, estávamos focando em máscaras para proteger o usuário, mas elas são mais importantes para proteger outras pessoas ao seu redor, se você estiver infectado. Se você colocar menos vírus no ar, estará criando um ambiente menos contaminado ao seu redor. Como nosso modelo mostra, a quantidade de vírus infeccioso ao qual você está exposto tem um grande impacto no risco de infecção e no potencial das máscaras de outras pessoas para protegê-los também.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança